Comunicação

Meta alcançada – e com brilho

Sant´Ana: predileção pelas divagações

“Sou uma pessoa que nunca teve metas. Mas, atualmente, pela primeira vez, tenho duas metas em minha vida. A primeira meta por que tanto anseio é ser premiado, em 2010, pela 20ª vez consecutiva em 20 anos, com o Top of Mind da revista AMANHÃ na categoria de colunista de jornal mais lembrado pelos gaúchos.” Foi com essas palavras que Paulo Sant´Ana abriu sua coluna em Zero Hora, no dia 12 de junho de 2009. Quase um ano depois, e com o objetivo alcançado, o colunista atribui à penúltima página de ZH uma importância que vai além da vida profissional. “Toda a minha existência está centrada nesta coluna”, destaca. Até hoje, foram mais de 16 mil textos, abordando assuntos que vão de fatos do cotidiano e reclamações até mesmo poesias. Um texto sobre a mãe, Nair Sant´Ana, que não chegou a conhecer, e outros sobre amizade, integram o rol das colunas memoráveis. Em meio à liberdade que tem para escrever, Sant´Ana diz gostar mesmo é de fazer divagações flosófcas – característica tida por ele como marcante em suas colunas. Por essas e por outras, o jornalista que completará 40 anos de RBS em maio de 2012 (segundo ele, a segunda meta a ser alcançada) conquista os gaúchos. Pela 20ª vez consecutiva, Sant´Ana é o mais lembrado na categoria colunista de Jornal, com 38,8% das indicações – maior índice que Paulo Sant´Ana (ou Pablo, seu alter ego) alcançou desde que a pesquisa começou, em 1991.

Ele é “demaaais”

Pedro: locutor, apresentador, cantor...

Pedro Ernesto Denardin conquistou de vez seu espaço na mente dos gaúchos. Entre 2008 e 2009, o narrador conseguiu mais do que dobrar seu índice de lembrança na ca- tegoria locutor Esportivo de Rádio. Com 37 anos de profssão – 34 deles dedicados aos microfones da Gaúcha AM –, Pedro acredita que a abrangência da emissora é a maior responsável pelo fortalecimento de seu mind share. Segundo o Ibope, a Gaúcha tem 81% de sintonia no Estado. Além disso, desde 2008 a rádio tem um dial na FM, o que ampliou a gama de ouvintes. Quando está diante da “latinha”, Pedro abusa da emoção para levantar as torcidas – e tem convicção de que seu estilo é único. Houve vezes em que chegou a chorar diante dos microfones. Outra característica são os bordões. “O mais novo é o ‘fulano é demaaais’. Agora todo mundo repete esta bobagem”, diz, em tom de brincadeira. A esse bom humor, soma-se o fato de o jornalista trabalhar na TVCOM (onde apresenta o Bate-Bola aos domingos), assinar uma coluna no Diário Gaúcho e ser comentarista na Rádio Farroupilha. “Mas tem outra coisa”, lembra. “Também sou cantor, e os shows que realizo no interior me fazem ser conhecido por outro tipo de púbico, que não é aquele das jornadas esportivas.” Na Semana Farroupilha do ano passado, foram 14 apresentações. Não raro, o narrador-cantor faz apresentações para até 5 mil pessoas, como aconteceu em Igrejinha e Taquara.

Comente