China: pode ser (bem) pior do que imaginamos

Para Jim Chanos, o mercado subestima o quanto o país pode desacelerar

Por Infomoney*

Jim Chanos, investidor conhecido por comprar ações em queda

A bolsa de Xangai, na China, registrou nesta segunda-feira (24) perdas superiores a 8%, aproximadamente meia hora depois da abertura da sessão, tendência seguida nas praças de Hong Kong e de Tóquio. A bolsa de Hong Kong, território autônomo que pertence à China, encerrou a sessão desta segunda em baixa de 5,1%, a segunda maior queda do ano, arrastada pelas perdas na praça financeira de Xangai. A bolsa de Shenzhen, segunda praça financeira da China, também teve queda de 7,1%.

Em Tóquio, Japão, depois de ter aberto em queda de 1,8%, o Nikkei teve baixa de 3,2% no meio da sessão desta segunda. No Brasil, o Ibovespa abre a semana em forte queda. A perda do principal índice da BM&FBovespa era de 3,7% perto do meio-dia, para 44.026 pontos. Papéis ligados a matérias-primas, como Petrobras e mineradoras, estão entre os destaques de baixa.

Para alguns investidores, a situação da China pode piorar mais ainda. Jim Chanos (foto), que é conhecido por apostar na queda das ações, afirma, inclusive, que o mercado está subestimando o quanto a segunda maior economia do mundo pode desacelerar. "É pior do que você imagina. Tudo que você poderia pensar, é pior", disse Chanos, gestor de hedge fund e fundador da Kynikos Associates, ao programa "Fast Money: Halftime Report" na sexta-feira (21), data que marcou a quarta queda seguida dos principais índices norte-americanos. Ele não classificou a queda como uma correção ou um "bear market" [expressão que significa uma queda superior a 20% do mercado desde seu último topo formado], mas observou que o "bull market" nos Estados Unidos mostrou que o mercado foi mais complacente.

A desaceleração chinesa, além de outras preocupações macroeconômicas, têm assustado os investidores globais. Segundo Chanos, as pessoas têm percebido que o governo chinês não é "onipotente e onisciente". "De fato, como muito de nós, às vezes ele não tem a menor ideia", completou.

*Com Agência Brasil.


leia também

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: