Os riscos que os investidores mais temem

Preços baixos de ações ou títulos são os maiores medos

Por Infomoney

Crise na bolsa de valores

Um dos resultados da crise financeira que se iniciou em 2008 é a grande sensibilidade para riscos que muitos investidores sentem hoje em dia. “Enquanto manejar e entender riscos é um dos trabalhos mais importantes que um investidor tem, acho que eles foram longe demais na questão de gerenciar cada risco, por menor que seja, no mercado”, opina Ben Carlson, no site Business Insider.

Uma nova pesquisa, realizada com investidores institucionais sobre os maiores riscos percebidos por eles, vai de encontro com o argumento de Carlson. O levantamento ouviu 735 investidores da América do Norte, Europa e Ásia no primeiro trimestre deste ano. Para 80% dos entrevistados, os riscos do mercado acionário são uma ameaça. Já 76% dos investidores institucionais consideram a taxa de juro o temor mais significativo para as suas carteiras ao longo dos próximos 12 meses.

Outros riscos incluem câmbio (68%), crédito (67%), commodities (64%), contrapartida (61%), liquidez (60%) e inflação (53%). Assim, percebe-se que os dois maiores riscos indicados pelos investidores são preços baixos de ações ou títulos. Ou seja, perdas. “Não é exatamente inovador a pesquisa mostrar que os investidores estão nervosos sobre a possibilidade de perda de dinheiro, mas acho que isso revela que muitos investidores, mesmo depois da enorme recuperação que temos visto nos seis anos que se seguiram após a crise, ainda estão receosos”, comenta Carlson.

 O especialista acredita que antes de ter medo, os investidores deveriam prestar atenção em alguns pontos:

- Eles estão olhando os riscos de forma correta?

- Os investidores mudam seus portfólios por conta da percepção de riscos?

- Eles têm um plano gerencial de riscos antecipado ou só planejam em fazer mudanças quando o mercado cai?

- Os investidores têm consciência e entendem os reais riscos que estão expostos?

- Seus portfólios refletem sua habilidade, necessidade e desejo de correr riscos nos mercados?

- Eles serão proativos ou reativos em termos de gerenciamento de riscos?

- Eles estabeleceram expectativas de performance realistas nas classes de ativos e investimentos em que incluíram seus portfólios?

- Será que eles têm diretrizes que podem seguir no caso de seus maiores medos se tornem realidade ou serão tomadas decisões arbitrarias durante momentos de convulsão no mercado?

- Eles estão confortáveis com a posição atual de seu portfólio, independente dos caminhos que o mercado siga dali para frente?

“Sempre gostei de dizer que, não são suas ações que fazem a maior diferença no mercado de investimentos, mas sim, a forma como você reage. Uma vez me perguntaram: qual o maior de todos os riscos para um investidor hoje? E eu respondi:  'ele mesmo, como sempre'”, ensina Carlson. O especialista admite que essa pode não ser a resposta mais aceitável que alguém gostaria de receber, mas, segundo ele, está na hora dos investidores entenderem que os riscos nunca desaparecerão completamente. “O risco vem em diferentes formas, dependendo da posição que o investidor toma. Entender que ele surgirá, conhecer o portfólio e tomar a posição que achar melhor é a melhor forma de se precaver”, conclui Carlson. 



leia também

A Cetip é a ação de dividendos mais indicada para compra - Cinco corretoras recomendam o papel da empresa do setor financeiro

Ações da Marcopolo podem valorizar mais de 50% - Fabricante de ônibus faz parte da carteira da Planner

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

Agora é hora de comprar ações de mineradoras - Morgan Stanley também aposta em papéis de mercados emergentes

América Latina ainda é destino de investimentos em 2015 - É o que pensa Venancio Castañon, executivo que estuda a região

Analista recomenda compra de ações da Localiza - Para Pedro Galdi, empresa pode ter um melhor desempenho no futuro

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: