Federações do Sul encaminham manifesto a políticos

Objetivo é fortalecer a economia

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Federações do Sul encaminham manifesto a políticos

As federações das indústria do Paraná, de Santa Catarina e Rio Grande do Sul lançaram nesta sexta-feira (14), em conjunto com a Confederação Nacional das Indústrias (CNI), o manifesto “O Brasil que queremos”. No documento, enviado a políticos  e industriais dos três estados, as entidades observam que o país vive um momento grave e complexo e propõem a construção de uma agenda de fortalecimento da economia. “Precisamos chamar atenção para a necessidade imperiosa de uma atenção especial para a indústria, com redução imediata dos custos de produção, evitando, assim, que o custo dos ajustes fiscais recaia, sobretudo, sobre os trabalhadores que estão perdendo o seu emprego”, afirmou Glauco José Côrte, presidente da Fiesc.

As federações pedem, também, que todos os poderes políticos se unam e ajam efetivamente em favor do crescimento brasileiro. "Todos sabemos da seriedade do momento no País, que requer entendimento e responsabilidade", ressalta Heitor José Müller, presidente da Fiergs.

Acompanhe abaixo a íntegra do manifesto:

 

O Brasil que todos queremos

O Brasil vive um momento grave e complexo. É preciso evitar que a crise se aprofunde e torne ainda mais difícil a superação dos problemas.

Há um problema de confiança que mina as decisões dos indivíduos e empresas e aprofunda a recessão. O impasse político imobiliza o País, paralisa decisões, eleva custos e gera incertezas sobre o futuro. O País está sendo derrotado pelo pessimismo.

A responsabilidade de reverter esse quadro e gerar uma agenda é de todos. É papel do sistema político construir soluções e atuar de forma que os impasses sejam superados. O Brasil já enfrentou outros momentos difíceis e graves. E soube enfrentá-los. 

Este ambiente penaliza trabalhadores, empresas e consumidores. A indústria tem sua capacidade de produzir, investir e gerar emprego e renda comprometida.

O momento é de chamar todos à responsabilidade. É preciso que todas as forças políticas adotem ações efetivas para o Brasil voltar a crescer. É preciso que o Congresso e o executivo convirjam e se mobilizem para viabilizar uma agenda para o fortalecimento da economia. Temos que prosseguir com o reequilíbrio fiscal e as reformas estruturais. É preciso que o Judiciário siga cumprindo seu trabalho constitucional com firmeza e independência e que não perca de vista a preservação das empresas, responsáveis pela geração de emprego e renda.

Não podemos assistir passivos à deterioração do País. O atual ambiente precisa ser transformado.

A indústria brasileira propõe um diálogo com os Poderes da República e a sociedade para buscar soluções e construir uma agenda em favor
da modernização institucional, política e econômica do País. Precisamos mirar no que é mais importante e trabalharmos para a construção de um Brasil democrático e próspero.



leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

A dádiva de servir à saúde - Conheça a Farmácias São João, um dos cases do livro “100 Marcas do Rio Grande”

A Gocil dá o pontapé inicial para 2020 - Empresa coloca em prática planos de expansão e diversifica negócios

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

Aos 60 anos, Lojas Lebes chega à Santa Catarina - Rede de varejo aposta em estratégia cautelosa para crescer

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: