Os erros de quem investe no Tesouro Direto

Não prestar atenção nas taxas cobradas é um deles

Por Infomoney

Os erros de quem investe no Tesouro Direto

O Tesouro Direto, programa de compra e venda de títulos públicos do governo federal, é uma das principais ferramentas de investimento em renda fixa no Brasil atualmente devido a sua acessibilidade – exige investimento mínimo de R$ 30 e dá a possibilidade de fazer todas as negociações sem sair de casa. No entanto, quais são os maiores erros que os investidores cometem ao investir no programa? Confira a seguir.

Não prestar atenção nos custos

Um dos principais problemas, de acordo com Márcio Baena Braga, sócio-diretor da Ação Belém Investimentos, é não pensar em custos na hora de aplicar no programa. “Algumas instituições cobram taxas muito altas e corretoras costumam ter taxas menores”, relata o especialista. Muitas vezes, as taxas de custódia cobradas pelas instituições financeiras podem fazer significativa diferença na rentabilidade final do investidor. Vale lembrar que o site do Tesouro Direto mostra as taxas cobradas por todos os bancos e corretoras que fazem parte do programa.

Associar o investimento a risco zero

Elison Nihi, da Classic Agentes Autônomos de Investimento, relata que muitas pessoas associam o Tesouro Direto a risco zero por ser um investimento de renda fixa. O especialista explica que títulos como o Tesouro IPCA+ ou o Tesouro Prefixado podem ter variação em seu valor, caso o investidor decida sair do investimento antes de seu prazo de vencimento e, eventualmente, tenha de embolsar prejuízo por conta disso. O especialista aconselha os investidores a buscarem uma boa assessoria antes de fazer qualquer aplicação. “O assessor tem o papel de dar orientação para o investidor sobre o produto, ser claro e mostrar todos os riscos do investimento que será feito”, afirma.

Não se planejar bem

Outro problema comum entre muitos investidores, de acordo com os dois especialistas, é o de não se planejar bem e precisar sacar o dinheiro antes do prazo de vencimento do título ou da duração prevista para o investimento. Além de correr o risco de ter algum prejuízo com a aplicação, conforme apontado por Braga, outro problema é o do Imposto de Renda (IR). O Tesouro Direto está na tabela de renda fixa do IR, o que significa que aplicações com prazo inferior a seis meses são taxadas em 22,5%, contra uma cobrança que vai regredindo até chegar em 15% para aplicações com prazo acima de dois anos. “A falta de planejamento e disciplina atrapalham bastante também”, afirma Nihi.

 

leia também

A reestruturação da Gerdau veio na hora errada? - Transação seria negativa por causa da dívida da maior empresa do sul

BB Investimentos renova carteira de ações - No troca-troca da corretora, sai Renner e entram BRF e Weg

Brasil, um paraíso para os investidores, mas... - Falta de educação financeira faz com que poucos aproveitem

BTG recomenda compra de 10 ações para agosto - Enquanto Gerdau foi retirada, BRF permaneceu na carteira

BTG transforma BM&FBovespa em “Beta” - Segundo o banco, ação deve perder espaço como melhor papel do setor

China em crise? - A China está sempre em crise, essa é a verdade

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: