Campagnolo é reconduzido à presidência da Fiep

Mandato buscará protagonismo dos empresários na vida pública

Por Laura D'Angelo

laura.cauduro@amanha.com.br

Campagnolo é reconduzido à presidência da Fiep

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) reconduziu à presidência o empresário Edson Campagnolo nesta quarta-feira (5). A chapa, composta por representantes de 52 instituições sindicais, recebeu os votos de 86 dos 93 sindicatos filiados que compareceram à eleição. Foram registrados ainda quatro votos em branco e três nulos. Para Campagnolo, o consenso em torno da chapa é reflexo do trabalho realizado nos últimos quatro anos, somada à necessidade de união de todo o setor produtivo para superar a crise atravessada pelo país atualmente. “O fato de este grupo estar sendo reconduzido à direção da Fiep mostra que a avaliação do trabalho é altamente positiva”, declarou, logo após o anúncio do resultado.

Segundo ele, em seu segundo mandato o Sistema Fiep continuará atuando em duas linhas principais. “Internamente, vamos trabalhar para que as ações das casas que compõem o Sistema Fiep, cada uma com seu foco específico, continuem com a mesma intensidade. O Senai com qualificação e capacitação profissional, somada ao apoio na área de tecnologia e inovação; o Sesi com a segurança e a saúde do trabalhador; o IEL com a educação executiva na Faculdade da Indústria”, declarou. A segunda frente está diretamente relacionada à atuação institucional da Fiep propriamente dita. “Vamos buscar institucionalizar e fortalecer a participação do industrial na vida política do Estado e do país. O momento é de muita reflexão e a Fiep vai continuar no seu papel de fazer a mediação com todas as esferas do poder público”, disse Campagnolo.

Ao portal AMANHÃ, Campagnolo fez um breve balanço dos últimos quatro anos e apontou os desafios que a indústria paranaense – e nacional – deverá enfrentar até 2020. Confira a seguir.

Quando assumiu em 2011, o senhor tinha o desejo de resgatar o Fórum Industrial-Parlamentar Sul [espécie de coalizão política que reúne as federações de indústrias e as bancadas de deputados dos três estados da região] e conseguiu. Como o senhor avalia a atuação do fórum?
A gente avançou em alguns temas de infraestrutura e logística, ajudamos a trazer alguns investimentos do Programa de Investimento em Logística {do governo federal}. Mas confesso que nosso objetivo era alcançar mais. Devido à situação econômica brasileira e a postura centralizadora do governo federal, com dificuldade de diálogo até com o próprio Congresso Nacional, não fomos tão felizes. A gente vai ter de mudar a estratégia pra conseguir melhorar. Mas a tentativa aconteceu por parte dos três presidentes das federações.

Um dos objetivos que o senhor queria alcançar neste mandato era descentralizar os investimentos no Paraná levando investimentos para o interior do estado. Obteve sucesso nessa empreitada?
Sim. O sistema Fiep tem uma participação efetiva em todas as regiões do estado. É verdade que Curitiba continua concentrando 60% dos investimentos da economia industrial, e isso não é tão fácil de reverter. Mas conseguimos ter avanços. O governo fez algumas medidas, como o Paraná Competitivo, que ajudaram a atrair investimentos para o interior. O que impede que isso aconteça com maior velocidade ainda é a questão da infraestrutura rodoviária e da logística. Estamos dependentes de um sistema de concessão de pedágios que não investe em melhorias para que se faça o Anel de Integração [malha de rodovias que interliga as cidades de Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Cascavel, Foz do Iguaçu, Campo Mourão, Maringá, Paranavaí, Londrina e Paranaguá] e desse oportunidades para todas as regiões.

As melhorias da infraestrutura e da logística e, consequentemente, a descentralização dos investimentos continuarão sendo, então, uma luta da Fiep nos próximos anos?
O empenho vai ser redobrado. Os contratos de concessão de pedágio vencem daqui a seis anos. Existe o interesse de renovar, mas nós somos contrários {o governo paranaense estuda ampliar concessão das rodovias às empresas privadas em troca de preços menores nos pedágios e realizações de obras. Os contrários à renovação alegam que as empresas não cumprem com as obrigações do contrato atual e cobram preços elevados no pedágio}. Temos de rever esse valor dos pedágios que inviabiliza os investimentos no nosso estado.

Quais são as principais metas para os próximos anos?
No Senai, temos que continuar viabilizando e fortalecendo os institutos de tecnologia e inovação. É nesta área que depositamos as esperanças de reverter este processo de declínio do nosso PIB industrial. Através deste programa nos temos condições de melhorar o ambiente das indústrias paranaenses. E como é um programa nacional, em rede, beneficia toda a indústria nacional. Mas, no sistema Fiep como um todo, o objetivo é não deixar a peteca cair e manter uma atuação firme. O grande desafio é, neste momento de crise fiscal, econômica, moral e de confiança que o país atravessa, unir as pessoas do setor produtivo para que elas passem a ser protagonistas da vida pública do país. A sociedade vai ter de participar mais efetivamente. Espero que lideranças de todos os níveis passem a participar mais da vida pública, a cobrar mais os governantes e a ter posições firmes.



leia também

Aurora adquire indústria de suínos da antiga Chapecó - O valor da transação foi de R$ 235 milhões

BNDES empresta R$ 64 milhões para PCH no Paraná - Pequena central hidrelétrica Cantu 2 deve começar a operar ano que vem

Bradesco e Santander fazem propostas pelo HSBC - A expectativa é que oferta seja de pelo menos R$ 10 bilhões

Chega de saudade - Devemos sempre lamentar a morte de empresas tradicionais?

Cinco testes para avaliar ideias inovadoras - Maximiliano Carlomagno ensina que cada fase demanda análise própria

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: