Aquisição do HSBC pelo Bradesco: o que muda?

Jurista Tatiana Ribeiro explica cuidados que os clientes devem ter

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Aquisição do HSBC pelo Bradesco: o que muda?

Na segunda-feira (3) o Bradesco assumiu todas as operações do banco HSBC, inclusive as agências existentes e toda a carteira de clientes, ao adquiri-lo por cerca de R$ 17 bilhões. O banco britânico permanecerá no Brasil apenas para atender a grandes clientes corporativos.

A aquisição ainda está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e do Banco Central. Somente após a autorização desses órgãos é que o processo de transferência das operações para o Bradesco será iniciado. A expectativa do Bradesco é de que essa autorização saia até o final do ano, mas pode ocorre até meados de 2016.

No entanto, até lá, quais são os cuidados que os clientes devem ter? “Em princípio não há com o que se preocupar. Assim que a operação for aprovada pelos órgãos regulatórios o Bradesco dará início à integração das operações dos clientes HSBC. Os pontos negativos são o possível fechamento de agências, em especial quando haja instalações do Bradesco nas proximidades, e a burocracia da troca de conta corrente, cartões, tokens etc. Em compensação, os clientes HSBC passam a ter acesso também aos produtos e serviços ofertados pelo Bradesco e à sua rede de agências e caixas eletrônicos, bem mais ampla”, explica Tatiana Ribeiro (foto), advogada especializada em Direito Societário.

Bradesco compra operação brasileira do HSBC, quinta maior empresa do Sul


Tatiana, que também é sócia do escritório Fialdini Advogados e professora assistente de Direito Comercial na Universidade de São Paulo (USP), alerta que os clientes devem ficar atentos para verificar se as condições atuais dos produtos e serviços contratados serão mantidas. “Eles podem aproveitar a oportunidade para verificar se há algum produto ou serviço similar do Bradesco que ofereça melhores condições e tentar uma migração”, sugere. “Para os clientes que possuem produtos de crédito, sempre é possível também requerer a portabilidade para outra instituição financeira. Apesar da promessa do Bradesco de manter o mesmo nível de atendimento, o perfil de cliente do HSBC, mais focado na alta renda, é bastante diferente do perfil do cliente Bradesco. Portanto, é possível esperar uma alteração significativa na forma de relacionamento com o cliente”, antevê a advogada.



leia também

Guapo Capital Group adquire OPP Brasil - Empresa com sede no Sul quer se consolidar como operadora de M&A

HSBC deve anunciar venda em breve - Quinta maior empresa do Sul negocia venda com o Bradesco

HSBC: a marca vai, a estrutura fica - Agências e área de TI permanecem em Curitiba após venda ao Bradesco

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: