Dólar fecha a R$ 3,42 em julho

Moeda norte-americana sobe 28,8% no ano e, em 12 meses, acumula alta de 50,9%

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Dólar fecha a R$ 3,42 em julho

Julho termina com o dólar alcançando uma máxima perto de R$ 3,43, já próxima do pico em mais de 12 anos alcançado há três dias. Isso ocorre pela combinação entre possível retirada de US$ 4,3 bilhões pelo Banco Central (BC) ao deixar vencer na próxima segunda-feira (3) 40% do lote de contratos de swap cambial para agosto.

O dólar comercial bateu nesta sexta-feira (31) R$ 3,4273, não longe da taxa de R$ 3,4325 atingida na última terça-feira (28), que é o maior patamar desde março de 2003. Às 17h41, a moeda norte-americana avançava 1,63%, fechando cotada a R$ 3,4250.

A alta do dólar ocorreu no dia em que o Banco Central divulgou que as contas do setor público (União, estados, municípios e estatais) registrou déficit primário de R$ 9,3 bilhões em junho, o pior resultado para o mês. No primeiro semestre, o superávit primário acumulado somou R$ 16,2 bilhões, o resultado mais baixo para o período, obtido exclusivamente pelo esforço fiscal dos estados e dos municípios.

O dólar comercial acumula em julho valorização de 10,2%. No ano, o dólar sobe 28,8% e em 12 meses avança 50,9%. Hoje, o real ocupa a vice-lanterna ante o dólar, considerando uma lista de 34 pares da moeda americana. Apenas o rublo russo cai mais: 2,85%. No mês, o real só cai menos que o rublo russo e o peso colombiano. Em 2014, a divisa brasileira é a de pior desempenho e em 12 meses tem a terceira pior performance, atrás do rublo russo e do peso colombiano.


leia também

A América Latina e o desafio da desvalorização de moedas - Governos devem ajustar políticas ao novo contexto internacional

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A empresa vai quebrar. E agora? - A resposta não é simples, pois envolve algumas questões muito subjetivas

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: