China projeta megacidade do tamanho do Paraná

A ideia é reformar a região norte do país e fortalecer a economia local

Por Infomoney

China projeta megacidade do tamanho do Paraná

O governo chinês tem um novo plano na cabeça que deverá chamar bastante atenção. Se trata de uma megacidade onde deverão morar 130 milhões de pessoas – em uma área pouco maior que o Paraná, revela o jornal The New York Times. Essa megapopulação se espremerá em uma cidade que terá cerca de 210 mil quilômetros quadrados. O Paraná tem 200 mil quilômetros quadrados de área e uma população de 10 milhões. No centro dessa nova megacidade, a ser conhecida como Jing-Jin-Ji, ficará Pequim, a atual capital do país e lar de 22 milhões de pessoas.

Na prática, Jing-Jin-Ji (foto) já existe. Muitos residentes da província de Hebei trabalham em Pequim, mas lá não podem morar – já que por décadas o Estado chinês tentou restringir a quantidade de habitantes na capital. Agora, o governo mudou de ideia: ao invés de restringir, a solução é trabalhar para uma integração ainda maior. Ao contrário de megalópolis como Tóquio e Seul, a área de Jing-Jin-Ji deverá contar com um grande planejamento para reduzir os impactos de construir uma cidade deste tamanho. Ela integrará Pequim (Beijing em inglês), a cidade portuária de Tianjin e a província de Hebei, cujo nome era Ji na época do império Han.

A ideia é reformar a região norte do país, com o desenvolvimento de áreas e fortalecimento da economia local, que é economicamente mais fraca do que outras regiões de destaque da China, como o delta do rio Yangtze, onde ficam Xangai e Nanjing, e o delta do Rio das Pérolas, onde ficam localizadas Guangzhou, Shenzhen. A nova cidade também ficaria mais próxima de Hong Kong e Macau. Pequim já anunciou sua parte do plano movendo fábricas, hospitais e instituições burocráticas.

A receita de Lerner para criar cidades sustentáveis


No centro do novo município está o sistema de transporte altamente planejado que será capaz, através de um trem de alta velocidade, de juntar as pontas da cidade em apenas uma hora. Além disso, fábricas deverão ser transportadas para os subúrbios, o que deverá facilitar. Atualmente, muitas pessoas passam até seis horas se deslocando até o local de trabalho e o objetivo do governo é reduzir esse tempo de viagem. Para isso, precisa terminar estações de trem e ainda juntar 18 estradas que fazem parte de um dos três distritos. Elas deverão ser reformadas até 2020. O trem de alta velocidade também deverá ser duplicado.

Até lá, Pequim será transformada no centro cultural e tecnológico, enquanto Tianjin será industrial. Hebei ainda não tem uma atribuição definida, mas deverá receber algumas fábricas de menor porte do segmento têxtil. Como parte da reforma, Pequim deverá transferir seu centro administrativo para o norte, tirando o governo do país do distrito imperial pela primeira vez em centenas de anos. Se tudo der certo, a China conseguirá reduzir os impactos da alta concentração urbana sem planejamento e terá uma cidade gigantesca muito mais harmoniosa que muitos municípios médios do Brasil.


leia também

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: