Mercado crava alta na Selic após discurso de Luiz Awazu

Diretor do BC revelou que existem novos riscos para inflação em 2016

Por Infomoney*

Mercado crava alta na Selic após discurso de Luiz Awazu

O mercado viu na fala de Luiz Awazu (foto), diretor de Política Econômica do Banco Central, uma sinalização de alta de 0,5 ponto percentual na Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) na próxima quarta-feira (29), para 14,25%.

Em discurso bastante duro, Awazu sinalizou que, apesar de progressos recentes no combate à inflação, existem novos riscos para as projeção sobre o IPCA no próximo ano. "As expectativas de inflação ainda estão cerca de 90 pontos-base acima da nossa meta no fim de 2016", revelou Awazu, segundo íntegra do seu discurso divulgada no site do BC. Segundo ele, o objetivo da política monetária é precisamente evitar que o impacto das pressões inflacionárias de curto prazo neste ano seja transmitido para 2016 e adiante.

Awazu comentou que a política monetária pode e deve conter os efeitos secundários de aumento de preços e circunscrevê-los ao ano de 2015. "Por essa razão, a política monetária é e deve continuar vigilante para garantir a convergência da inflação para a meta de 4,5% em 2016", afirmou.

Em entrevista para a Bloomberg, Daniel Weeks, economista-chefe da Garde Asset Management, destacou ainda que, embora não tenha se referido diretamente ao corte da meta de superávit primário realizada na quarta-feira (22), o relato do diretor do BC marcou claramente que o menor esforço fiscal obrigará o banco a manter o aperto monetário. Em meio à queda do crescimento econômico e com as últimas sinalizações do presidente do BC, Alexandre Tombini, o mercado, que já começava a precificar uma redução do ritmo de alta dos juros, agora já está revisando as projeções.

*Com Reuters.


leia também

A América Latina e o desafio da desvalorização de moedas - Governos devem ajustar políticas ao novo contexto internacional

A empresa vai quebrar. E agora? - A resposta não é simples, pois envolve algumas questões muito subjetivas

Agosto, o pior mês do ano para o Ibovespa - Bolsa acumula queda de 24,6% e dólar comercial totaliza alta de 33%

Atividade econômica fica estável em maio, informa BC - De acordo com o IBC-Br ajustado, houve crescimento de 0,03%

Austin Rating rebaixa nota de crédito do Brasil para BB+ - O fato está fundamentado na piora dos resultados das contas públicas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: