Tyson Foods adquire 40% da divisão de alimentos do Grupo Vibra

Como parte do acordo, companhia de Montenegro irá cindir a Agrogen

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Flávio Rogério Wallauer e Gérson Müller

Como parte de sua estratégia de crescimento global, a Tyson Foods chegou a um acordo para investir na divisão de alimentos do Grupo Vibra, de Mntenegro (RS), produtor e exportador brasileiro de carne de frango e derivados. Depois de concluído, o acordo proporcionará à companhia norte-americana mais flexibilidade no atendimento aos clientes nos principais mercados globais. Os termos do acordo não foram divulgados e a transação ainda está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no Brasil. Como parte do acordo, o Grupo Vibra irá cindir seu negócio de multiplicação genética, a Agrogen, em uma empresa separada.

"Este investimento nos permitirá acessar suprimentos de aves no Brasil para atender às crescentes necessidades dos clientes brasileiros e dos mercados de demanda prioritários na Ásia, Europa e Oriente Médio", afirmou Donnie King, presidente da área internacional da Tyson Foods. "Faz parte da nossa estratégia desenvolver uma cadeia de fornecimento mais flexível e mitigar a volatilidade do nosso modelo anterior, que dependia principalmente das exportações dos Estados Unidos", revela King. 

Desde o ano passado, a Tyson Foods expandiu sua presença global através da aquisição da Keystone Foods, que inclui operações na China, Coréia do Sul, Malásia, Tailândia e Austrália, e os negócios de aves da BRF na Tailândia e na Europa. O Grupo Vibra atende atualmente clientes no Brasil e em mais de 50 países. "Este acordo é o resultado da confiança mútua entre as duas empresas e o objetivo de ambas se expandirem globalmente", avalia Flavio Sergio Wallauer (na foto, à esquerda), presidente do conselho de administração do Grupo Vibra. "Nós também acreditamos na importância de, constantemente, agregar valor para os nossos produtos. Para nós, isso significa continuar a crescer, inovar e fortalecer a posição de nossas marcas, Nat e Avia”, evidencia. 

Nos próximos cinco anos, estima-se que quase 98% do crescimento do consumo de proteínas acontecerá fora dos Estados Unidos. "É por isso que estamos expandindo nossos negócios fora dos EUA. À medida que a população mundial continua crescendo, a Tyson crescerá com isso”, prevê King. A Tyson Foods gera atualmente US$ 7 bilhões em vendas internacionais. Isso inclui US$ 5 bilhões em vendas de exportação dos Estados Unidos e cerca de US$ 2 bilhões em receitas no país.

"A Tyson irá adicionar know-how e gerar novas oportunidades de negócios para acelerar o nosso crescimento", afirma Gerson Luís Müller (na foto, à direita), CEO do Grupo Vibra. “Essa parceria será importante para desenvolver ainda mais os nossos negócios no Brasil e no exterior, garantindo acesso a novas tecnologias e investimentos, principalmente em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Além disso, teremos acesso a uma rede de distribuição global para alcançar novos mercados”, emenda Müller. 


comentarios




Eraldo

Devido a estas grandes empresas o nosso agronegócios faliu e está nas mãos de quem não paga imposto .

Comentar

Adicione um comentário: