IPCA-15 é o maior para julho em sete anos

O grupo habitação foi o destaque puxado pela alta da energia elétrica

Da Redação

redacao@amanha.com.br

IPCA-15 é o maior para julho em sete anos

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) desacelerou entre junho e julho, de 0,99% para 0,59%, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (22). Esse é o maior resultado para o mês desde 2008, quando o indicador teve alta de 0,63%. O IPCA-15 é uma prévia do IPCA, índice que baliza o sistema de metas de inflação. O que muda entre as duas taxas é apenas o período de coleta de preços. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 6,9%. Nos últimos 12 meses, o índice subiu 9,25%, o maior aumento desde dezembro de 2003. 

Entre as nove classes de despesas, o grupo habitação foi o destaque, pois subiu 1,15% em julho e foi também o maior impacto no índice no mês. “A energia elétrica teve alta de 1,91% e, mais uma vez, se projetou como o mais elevado impacto individual no índice”, explicou o IBGE em nota.

Outras classes de despesa que mostraram aceleração de preços entre junho e julho foram alimentação e bebidas (1,21% para 0,64%), o segundo maior peso no mês, despesas pessoais (1,79% para 0,83%), saúde e cuidados pessoais (0,87% para 0,8%), comunicação (0,08% para 0,59%), artigos de residência (0,69% para 0,47%), transportes (0,85% para 0,14%) e educação (0,18% para 0,1%). Já o grupo vestuário apresentou queda de 0,06% em julho, segundo o IBGE.


leia também

A América Latina e o desafio da desvalorização de moedas - Governos devem ajustar políticas ao novo contexto internacional

A empresa vai quebrar. E agora? - A resposta não é simples, pois envolve algumas questões muito subjetivas

Alimentos ajudam a reduzir inflação em novembro - Em 12 meses, o IPCA acumula taxa de 6,9%, bem abaixo dos 7,8% de outubro

Alimentos pressionam e inflação volta a subir - IPCA já acumula alta de 8,74% nos últimos doze meses

Ano novo, vida nova? Nem tanto - O cenário econômico brasileiro deve permanecer instável em 2016

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: