Em Portugal não baixe a guarda

O português é terreno minado por aqui

Por Fernando Dourado Filho, de Póvoa de Varzim (Portugal)

Em Portugal não baixe a guarda com a língua portuguesa

Na quinta-feira cheguei ao restaurante um pouco tarde para almoçar. Já não havia clientes na simpática galeteria e por um momento pensei que a cozinha só seria ativada para o jantar. "Vocês ainda estão abertos?" O garçom, um camarada simpático com quem já conversei de futebol na temporada passada, olhou-me com ar de troça e disparou: "Claro. Se não estivéssemos abertos, o senhor não teria entrado. É claro que estamos."  Engoli em seco mais essa e fui ocupar minha mesinha. 

Há pouco tempo, vi lá em Aveiro que o restaurante oferecia peixe dourada no almoço. Como forma de tornar o contato mais açucarado, brinquei com o jovem que me atendeu. "Vejo que tem uma dourada para o almoço. Parece tentador." A resposta foi fulminante: "Graças a Deus tenho mais de uma. Se tivesse apenas uma, com toda a gente que está a chegar, estaríamos perdidos." Resignado, admiti. "Está bem, que me traga então uma dessas muitas douradas." Eis dois singelos exemplos do que pode acontecer aos incautos que não pesam as perguntas.

Em Portugal, o português é terreno minado. 


comentarios




Helder Dacosta

Quando se é estrangeiro é recomendável se adaptar e entender as regras do jogo do país visitado ao invés de julgá-lo a partir de suas próprias regras. Toda cultura no mundo possui hierarquia de valores diversos, o que lhe parece prioridade, pode se tornar banal aos outros. Elegante é aquele que se deparara com o desconhecido e o acomoda.

Comentar

Adicione um comentário: