Vendedor de si mesmo

Vai mais longe quem domina a arte da persuasão e de influenciar – positivamente – as pessoas

Por Bernt Entschev

Vai mais longe quem domina a arte da persuasão e de influenciar – positivamente – as pessoas, ensina Bernt Entschev

Se você parar para pensar, todos os dias, a todo momento, estamos negociando algo com alguém. Não precisa ser vendedor para chegar a essa conclusão, visto que os relacionamentos humanos exigem trocas e negociações, seja na vida pessoal, familiar, em comunidade ou nas empresas.  

Quando analisamos pelo prisma do trabalho, percebemos nitidamente que as pessoas que têm o “poder da persuasão” conseguem melhores resultados em suas atividades e projetos. Um indivíduo que pratica a persuasão consegue agregar, trazer pares e seguidores para sua ideia de maneira espontânea, mostrando os ganhos que todos terão com aquela atitude ou projeto. A pessoa impactada tende a ajudá-la de maneira verdadeira, pois acredita naquilo. 

Para desenvolver o poder de persuasão, a primeira dica é tenha ‘”reciprocidade” com as pessoas. Busque sempre estar em crédito com os colegas de trabalho. Ajude sem pedir algo em troca. Quem é beneficiado ficará com uma espécie de “dívida” contigo e pronto para saná-la quando você precisar. A reciprocidade é um vetor que gera a persuasão. 

A segunda é a autoridade. Em que você é bom, especialista, faz algo com maestria? Sendo reconhecido por isso, você se torna uma autoridade para discorrer sobre este assunto, logo, terá o seu poder de persuasão melhor desenvolvido porque mostra conhecimento e passa segurança ao interlocutor. 

Por fim, cito a raridade. Tudo que é escasso é mais desejado. Então, como profissional, o que você oferta e se diferencia de outros colegas? Descobrindo esse seu talento, invista e explore o máximo que puder. Pessoas raras são bem vistas e chamam a atenção dos outros por si só.  


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: