Me tornei chefe, e agora?

Cuidados para não transformar um bom colaborador em um péssimo líder

Por Bernt Entschev

Cuidados para não transformar um bom colaborador em um péssimo líder

Na teoria, tudo pode parecer bastante simples. Mas já vi muita empresa se dar muito mal por não analisar e não dar o suporte no momento em que o “colega de equipe” torna-se “chefe de equipe”. Ao mesmo tempo, também vi muitos profissionais promovidos se perderem em seu próprio egocentrismo. Mas existem saídas bastante práticas e simples a serem tomadas que farão da promoção realmente um momento proveitoso para todos os lados. 

Se a sua companhia decidiu promover um determinado colaborador a chefia, primeiramente deve preparar essa pessoa. Isso vai de uma conversa franca do que se espera deste profissional, orientação daquilo que ele vai ter de se deparar como desafio, até a disposição em ajudar no que for necessário. Já no papel do promovido, a pessoa precisa estar ciente do desafio do cargo. A primeira lição é descobrir o real motivo que o levou a sua promoção e usar desses pontos fortes. Tentar imaginar ainda todos os desafios que existem, além daqueles que o seu antigo chefe já tinha naquela função. Lembre-se: mais do que nunca, você terá de contar com ajuda da equipe. 

Para quem está no papel de colaborador que agora tem um colega como chefe, a dica é: ajude ao máximo o colega a executar sua nova função. Não permita que o orgulho por não ter sido você o escolhido, deixe-o resistente a eventuais  mudanças propostas. Faça uma autoanálise do motivo que você não foi escolhido para tal cargo, caso você tivesse em mente essa expectativa. Ao avaliar essas dicas, as chances de uma promoção dar errado caem consideravelmente. Se não houver essa movimentação, a corporação pode perder um bom funcionário e ganhar um péssimo líder.


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: