HT Micron lança o primeiro chip para o mercado de IoT

Evento marca primeira década da empresa e 20 anos do Tecnosinos

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

HT Micron lança o primeiro chip para o mercado de IoT

A HT Micron (foto), fabricante de semicondutores sediada no Tecnosinos, em São Leopoldo (RS), está lançando o primeiro chip para produtos relacionados ao mercado de Internet das Coisas (IoT). No Brasil, assim como no mundo, o produto agrega tecnologias que estão trazendo novos valores para mercados existentes e criando novos modelos de negócio bilionários. O anúncio oficial será feito pelo CEO da empresa, Chris Ryu, na terça-feira (18), em evento de comemoração dos 10 anos da companhia. Fruto da cooperação tecnológica entre Brasil e Coreia do Sul, a HT Micron é uma empresa de semicondutores constituída pela Hana Micron, Finep e acionistas brasileiros.

"As características deste System-in-Package (SIP), ou circuito integrado de componentes múltiplos, são inéditas, não existindo nada similar no mercado global", assegura Luiz Francisco Gerbase, membro do conselho da HT Micron.  A Internet das Coisas viabiliza a conexão de uma grande gama de dispositivos e equipamentos e cada aplicação tem uma exigência específica, tanto em consumo de energia quanto em custo. Através da combinação de componentes de microeletrônica já existentes, a tecnologia de empacotamento (packaging) da HT Micron permite o desenvolvimento de chips específicos, sem a necessidade de volumes de produção extremamente altos. O chip é o primeiro previsto para os próximos dois anos nesta área e poderá ser utilizado em produtos para localização de pessoas, cargas, medição remota de gás e água, iluminação pública, entre outras. Também estão previstos chips para atender outras tecnologias de comunicação dos dispositivos IoT. No ano passado, a HT Micron aportou nada menos que 11% da receita de US$ 100 milhões em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D). 

Desde 2009, a HT Micron está localizada no Tecnosinos. O Parque Tecnológico, que completa 20 anos, concentra 93 empresas de diferentes países, das quais 60 são consolidadas e 33 startups, gerando mais de 6 mil empregos diretos. Para o reitor, Padre Marcelo Fernandes de Aquino, o Tecnosinos é uma força que alavanca o progresso social e a reorganização de uma inserção do país em um mundo mais global. “Esse evento celebra os nossos 50 anos, no contexto de uma efetiva conectividade com os nossos parceiros da área tecnológica. Só para lembrar, 50 anos da Unisinos, 20 anos do Tecnosinos e 10 anos da HT Micron, demonstram a capacidade da Unisinos de celebrar a sua história em conexão com outras experiências de empresas, de articulação internacional, que acaba dando resultado”, comemora. 

O pró-reitor acadêmico e de relações internacionais da Unisinos, Alsones Balestrin, o principal fator de geração de riqueza é o próprio conhecimento e a universidade é a uma das principais instituições responsáveis por esse objetivo, já que esse é o seu papel preponderante. “Hoje, as empresas se aproximam cada vez mais das universidades. Os Parques e Institutos Tecnológicos visam abrigar empresas de base tecnológica, que se aproximam do campus universitário para ter contato com o conhecimento produzido na universidade. Essa transferência de conhecimento da universidade para um grupo da indústria se dá tanto pela formação de pesquisadores como pela geração de produtos e patentes de base científica que acontece dentro dos laboratórios das universidades”, entende Balestrin. “Até algum tempo atrás, a missão da universidade era formar pessoas no ensino, depois veio a questão de produzir conhecimento e pesquisa e, atualmente, a terceira missão é por meio do empreendedorismo. Ou seja, ser um agente de alto impacto para geração de novos empreendimentos aliados ao ferramental de inovação. Já trabalhamos essas três missões na Unisinos e tudo isso gera um ambiente de desenvolvimento regional tanto econômico como social", sentencia. 

Na visão de Susana Kakuta, CEO do Tecnosinos, a Unisinos tem contribuído de forma efetiva no desenvolvimento do Rio Grande do Sul, especialmente por meio do seu ecossistema de inovação. "O Tecnosinos chega aos 20 anos como um dos mais importantes parques da América do Sul, consolidado pela presença de 100 empresas nacionais, internacionais e startups, que entregam tecnologia de ponta aos diferentes setores da economia do Brasil. Atua fortemente no desenvolvimento do Estado, a partir da geração de 6 mil empregos, levando qualidade de vida para gaúchos e gaúchas", destaca Susana. 


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: