Bolsa de São Paulo encerra no menor nível do ano

Dólar supera R$ 4 e fecha no maior valor em oito meses

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Cenário político segue pressionando a bolsa

Em mais um dia de nervosismo no mercado financeiro, a moeda norte-americana voltou a subir e a fechar acima de R$ 4 pela primeira vez em quase oito meses. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (16) vendido a R$ 4,037, com alta de R$ 0,041 (+1%). A última vez em que a divisa norte-americana tinha fechado acima de R$ 4 tinha sido em 1º de outubro (R$ 4,018). O dólar está no valor mais alto desde 28 de setembro, quando também valia R$ 4,037. A divisa operou em alta durante todo o dia, mas acelerou a valorização no fim da tarde.

O dia também foi de tensões no mercado de ações. Em queda pelo segundo dia consecutivo, o índice Ibovespa, da B3 (foto), fechou em baixa de 1,7%, aos 90.024 pontos. Esse foi o menor nível do ano. A última vez em que o indicador tinha ficado abaixo de 90 mil pontos tinha sido em 28 de dezembro do ano passado (87.887,26).

O mercado segue preocupado com os desdobramentos do cenário político nacional. A principal dúvida é se o governo federal terá articulação suficiente para encaminhar a aprovação das reformas – principalmente a Previdência. Na quarta-feira (15), os protestos contra o contingenciamento do Ministério da Educação mostraram a pressão que a oposição poderá exercer. Também na quarta foi anunciado o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). O indicador, que funciona como uma prévia do PIB, encolheu 0,68% no primeiro trimestre do ano contra o mesmo período de 2018. 

No cenário externo, as vendas no comércio nos Estados Unidos caíram 0,2% em abril. Paralelamente, as vendas e a produção industrial na China registraram desaceleração. Os dois países atravessam uma escalada de tensões comerciais, após os Estados Unidos terem sobretaxado produtos chineses em US$ 200 bilhões. No início da semana, o país asiático informou que aplicarão tarifas sobre US$ 60 bilhões em mercadorias norte-americanas a partir de junho.


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: