Para fazer o novo se tornar realidade

Tecnosinos investe em inovação para gerar riqueza

Por Luís Felipe Maldaner*

Tecnosinos, em São Leopoldo

O Parque Tecnológico de São Leopoldo (Tecnosinos) está localizado junto ao campus da Universidade do Vale do Rio do Sinos – Unisinos. Trata-se de um ambiente de inovação que fomenta o empreendedorismo, com vistas a estimular o desenvolvimento sustentável da região, com atuação focada nas seguintes áreas: Tecnologia da Informação; Semicondutores, Automação e Engenharias; Comunicação e Convergência Digital; Tecnologias para a Saúde; e Tecnologias Socioambientais. 

A origem do Tecnosinos remonta aos anos 1990, quando empresários da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de São Leopoldo (ACIS-SL) propuseram à Prefeitura Municipal a redução de impostos para as empresas de informática, com objetivo de tornar São Leopoldo mais competitivo em relação a outros municípios. Esse movimento gerou o Polo de Informática, que começou a ser instalado em 1997, com a construção da Unitec – Incubadora Unisinos, e também com a instalação das empresas pioneiras – muitas delas ainda residentes no Parque Tecnológico.

O ingresso de empresas internacionais no Tecnosinos começou em 2004, quando a mexicana Softtek anunciou a instalação de um Global Development Center. No ano de 2008 foi inaugurado o prédio da Partec, o que possibilitou a expansão do Parque em mais de 5 mil m2. Em 2009, a empresa alemã SAP constrói o SAP Labs Latin America e se instala no Parque. No mesmo ano, o ambiente foi rebatizado para Tecnosinos, o Parque Tecnológico de São Leopoldo, que abriga o Polo de Informática e o Complexo Tecnológico Unitec. Sua governança também foi repactuada com a assinatura de termo de cooperação entre Unisinos, Prefeitura Municipal, Associação das Empresas do Polo de Informática e a ACIS-SL – um modelo de tríplice hélice, que traça as estratégias de longo prazo, principalmente das ações portadoras de futuro.

Em 2010, mais duas empresas se instalaram no Parque: a indiana HCL e a HT Micron – esta, a maior fábrica de encapsulamento e teste de semicondutores da América Latina, estabelecida a partir de uma joint-venture entre a brasileira Parit e a sul-coreana Hana Micron. Em 2014, o Tecnosinos recebeu pela segunda vez o prêmio de melhor parque tecnológico do Brasil pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). Neste mesmo ano, a Unitec recebeu o prêmio de melhor incubadora do mundo, com o prêmio Best Knowledge Based Incubator e Best Self-Sustainability da Technopolicy Network.

O Tecnosinos segue crescendo: em 2015 foi inaugurada a Unitec 2, com espaço para instalação de mais 37 startups, e lançada a pedra fundamental do Partec Green, um prédio ecofriendly com 20 mil m2 de área construída para a instalação de mais 99 empresas. Em 2016, foi inaugurada a Unitec 3, com espaço destinado a centros de pesquisa, desenvolvimento e inovação.

Hoje o Tecnosinos conta com 104 empresas, sendo 54 consolidadas de médio e grande portes, e 50 startups, gerando em torno de 5,6 mil empregos diretos. Vale salientar que 14 dessas 54 empresas consolidadas iniciaram como pequenas startups na Incubadora Unitec, e hoje atuam como players de renome no mercado. O faturamento total das empresas do Parque atingiu a marca de R$ 650 milhões em 2016.

Entre as atividades e programas desenvolvidos no Tecnosinos estão o programa Talentos, que aproxima estudantes de ensino médio e fundamental das empresas do Parque, o Prêmio Roser, competição de empreendedorismo para identificar e prospectar talentos, as atividades de internacionalização e as diversas atividades de fomento ao empreendedorismo inovador como o Innomarathon, o Startup Weekend, e o mais recente programa chamado .Idea (ponto ideia). Trata-se de uma metodologia de inovação aberta desenvolvida pela equipe da Unitec em conjunto com a equipe de Inovação Corporativa da SAP. 

Com uma infraestrutura completa, incluindo laboratórios, espaços de coworking e auditórios, o Tecnosinos oferece um ambiente propício para fazer a inovação acontecer. A aliança entre empresas, poder público e universidade, principal fonte do capital humano para as empresas, faz do Parque um ambiente gerador de riqueza. São praticamente 20 anos de trabalho árduo em prol do desenvolvimento tecnológico da região e do Brasil. É o que nos move em direção ao futuro, investindo na inovação como um vetor de crescimento econômico.

*CEO do Tecnosinos.



comentarios




Aurylio Guimaraes

Um dos principais pontos que podem levar o Brasil ao desenvolvimento são os Parques Tecnológicos. Os governos nas áreas federal, Estadual e municipal deveriam procurar investir neste segmento.

Comentar

Adicione um comentário: