Klabin aprova investimento de R$ 9,1 bilhões no Paraná

O empreendimento terá duas máquinas de papel em Ortigueira

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

Fábrica da Klabin em Ortigueira, no Paraná

A Klabin anunciou nesta terça-feira (16) que aprovou em reunião extraordinária o projeto de expansão de capacidade no segmento de papéis para embalagem, denominado Projeto Puma II. O investimento bruto orçado é de R$ 9,1 bilhões, sujeito a flutuações cambiais e reajustes decorrentes de inflação, a ser desembolsado entre os anos de 2019 e 2023. Desse total, quase R$ 1 bilhão (cerca de R$ 900 milhões) refere-se a impostos. O valor é muito maior do que a empresa previa, como relatou reportagem do Portal AMANHÃ (leia mais detalhes aqui). Tendo em vista que a maior parte dos equipamentos serão instalados na primeira fase do projeto, aproximadamente dois terços dos desembolsos ocorrerão entre este ano e 2021. O aporte beneficiará os municípios da região, com a criação de até 9 mil postos de trabalho no período de obras e 1,5 mil, entre diretos e indiretos, após o início de produção. 

“Quando se tem uma equipe como essa da Klabin e um governador que tem projeto de inserção competitiva do Paraná no Brasil e no mundo, com um compromisso muito claro de criação empregos, geração de renda e desenvolvimento, não é difícil decidir onde deveríamos nos instalar”, afirmou o presidente do Conselho da Klabin, Horácio Lafer Piva. O excuetivo esteve em Ortigueira para o lançamento da primeira escola técnica para formação de profissionais para a indústria de papel e celulose, numa parceria entre o Estado e a indústria. Também presente na solenidade, o governador Ratinho Junior destacou que o empreendimento é o maior investimento privado da América Latina. “É um projeto que contribuirá para o desenvolvimento de todo o Paraná”, destacou.  

O empreendimento abrange a construção de duas máquinas de papel, com produção de celulose integrada, localizadas na unidade industrial companhia em Ortigueira, no Paraná.  A capacidade total das máquinas será de 920 mil toneladas anuais de papéis Kraftliner. Na Unidade Puma, a Klabin já opera a produção de celulose branqueada (fibra curta, fibra longa e fluff), que continuará abastecendo os mercados interno e externo com capacidade anual de 1,6 milhão de toneladas.

De acordo com fato relevante publicado pela Klabin, a instalação será dividida em duas etapas. A primeira consistirá na construção de uma linha de fibras principal para a produção de celulose não branqueada integrada a uma máquina de papel Kraftliner e Kraftliner Branco, que serão comercializados sob a marca Eukaliner, com capacidade de 450 mil toneladas anuais. Em complemento, essa etapa também inclui instalações de apoio às novas linhas e plantas das áreas de recuperação e utilidades. A Segunda etapa contempla a construção de uma linha de fibras complementar integrada a uma máquina de papel Kraftliner com capacidade de 470 mil toneladas anuais e expansão de algumas estruturas de apoio.

O cronograma prevê que as obras de cada etapa durem dois anos, sendo que o começo da construção da segunda etapa será logo após o término da primeira. Desta forma, o início da primeira máquina está programado para o segundo trimestre de 2021, e o da segunda máquina previsto para o segundo trimestre de 2023. “O mercado mundial de embalagens apresentou crescimento expressivo nas últimas décadas, principalmente em países emergentes, impactando a demanda por papéis que atendam essa indústria. O consumo global de papel para embalagens, que era de aproximadamente 60 milhões de toneladas em 1990, hoje é da ordem de 170 milhões de toneladas, conforme apuração da consultoria Pöyry. A mesma consultoria estima crescimento global no mercado de papéis para embalagens até 2025 de 2,4% ao ano, com boas perspectivas para o mercado de papéis de fibra virgem”, detalha a Klabin no documento. 


comentarios




Claudionor Vicente

Quem viu Ortigueira e vê agora.

Luiz Mateus

Se nosso pais pelo menos não acabasse com os impostos, mas que eles fossem menores, teríamos mais empresas contribuindo para o crescimento do nosso Brasil.

Comentar

Adicione um comentário: