Consumidores usarão cada vez mais o Chatbot

Tecnologia é uma das cinco que sua empresa terá de usar em breve

Por Telium

Consumidores usarão cada vez mais o Chatbot

A empresa norte-americana Gartner é referência mundial em consultoria. Ela oferece ferramentas para a evolução de negócios de modo que as oportunidades do mercado sejam aproveitadas. A organização tem uma visão bastante clara sobre o futuro do mundo digital e frequentemente elabora relatórios com previsões. A seguir, apresentamos algumas ferramentas que serão essenciais até 2022, com base em estudos recentes da companhia. 

Dominação dos chatbots
Os chatbots estão revolucionando o atendimento ao cliente, mas também funcionam muito bem como ferramentas de vendas, entretenimento e otimizadores de produtividade para determinadas tarefas. A previsão da Gartner é que até 2021 a proporção de empresas que investirá mais no desenvolvimento de bots do que na criação de aplicativos vai superar os 50%. A tendência é que os usuários gradualmente passem a dar preferência a uma interface de conversação por chat, como o Facebook Messenger ou o Telegram, quando precisarem obter alguma informação. Trata-se de uma interação muito mais simples que uma aplicação específica, sem contar que dispensa a instalação de um app, uma ação eventualmente requisitada pelas soluções. Inclusive, os bots ganham funções mais sofisticadas à medida que os recursos de inteligência artificial (IA) evoluem. Se hoje já são capazes de aprender novos termos e interpretar comandos nas mais diversas maneiras que a linguagem natural oferece, imagine o ponto em que estarão em 2022.

Aumento de pesquisas visuais e de voz em sites
As marcas que prepararem seus sites para suportar buscas, tanto por imagem quanto por voz, terão um aumento de 30% nas vendas pela internet. Esses tipos de pesquisa vêm ganhando popularidade, em especial nos dispositivos móveis. Neles, é muito mais fácil usar uma foto ou a própria fala para encontrar o que deseja do que usar o toque para digitar em um teclado pequeno. A ideia é que os negócios consigam aproveitar essa mudança de comportamento com as buscas internas para conseguir informações valiosas sobre os consumidores. Por consequência, será possível compreender melhor os hábitos dos clientes, elevar a taxa de conversão e atrair mais público. 

Maior uso de criptomoedas na economia
O interesse por criptomoedas como Bitcoin, Ethereum e Ripple cresce cada vez mais. Atentos a essas mudanças, bancos e outras instituições do setor financeiro já começaram a incorporar moedas baseadas na tecnologia blockchain em suas operações. Atualmente, as criptomoedas ainda têm o rótulo de pertencer a um mercado paralelo, contudo, ele vem atraindo pessoas honestas por fatores como segurança das operações, privacidade e rapidez nas transações — isso quando comparadas a certos métodos tradicionais. Outra particularidade dessas moedas é que, hoje, elas têm um propósito especulativo muito forte. Conforme esses ativos forem regulamentados e aceitos pelos governos, a visão de que são ilegais cairá por terra. Assim, seu uso será ainda mais difundido entre o público geral, fazendo parte do dia a dia das pessoas e representando um papel mais importante na economia.

Inteligência artificial gerando empregos
Não é só nos chatbots que encontramos aplicação para a IA. Ela já vem sendo amplamente utilizada na indústria, com resultados excelentes. Alguns exemplos são  algoritmos de mecanismos de busca; sistemas de recomendação personalizada de produtos em e-commerces; softwares para otimização de processos e auxílio na tomada de decisão e alerta de fraude e análise de transações suspeitas em operações de cartão de crédito. Essa tecnologia aumentará o número de empregos existentes, ao mesmo tempo em que aprimorará a produtividade dos negócios. 

Internet das coisas por toda parte
A ideia de ter dispositivos digitais conectados à internet e entre si para facilitar o dia a dia ainda tem uma presença muito tímida na vida das pessoas. Apesar disso estar mudando com os aparelhos “inteligentes”, ainda há bastante espaço a ocupar. As tecnologias relacionadas à internet das coisas ficarão tão baratas ao ponto de ser possível adicionar funcionalidades do gênero a um custo mínimo. Assim, organizações dos mais diversos ramos poderão acrescentá-la aos seus produtos e a tendência é que, até 2020, 95% dos eletrônicos darão suporte à tecnologia. Lembrando que, conforme as aplicações de internet das coisas aumentar, crescerá também a preocupação com a segurança das conexões. 

À primeira vista, as previsões podem parecer simplistas, já que notamos o avanço de todas essas tecnologias na atualidade. Contudo, um olhar atento revela insights não tão óbvios, que certamente ajudarão a sua empresa a obter vantagem competitiva e a conseguir uma posição de destaque nos próximos anos.


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: