Campos Neto defende autonomia e inflação baixa

Novo presidente do BC pregou estímulo ao cooperativismo

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Roberto Campos Neto defende autonomia e inflação baixa

No primeiro discurso oficial no cargo, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto (foto), defendeu a autonomia formal da instituição. Ele disse que buscará manter a inflação em níveis baixos e controlados e prometeu continuar a aprimorar a transparência na comunicação do Banco Central com a sociedade. “Além de trabalhar para manter as conquistas, é necessário avançar. E nesse sentido, acreditamos que um Banco Central autônomo estaria melhor preparado para consolidar os ganhos recentes e abrir espaço para os novos avanços de que o país tanto precisa”, declarou. Indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em novembro, Campos Neto só tomou posse no fim de fevereiro porque precisou ser sabatinado pelo Senado Federal e ter o nome aprovado. Na cerimônia de transmissão de cargo, ele disse estar orgulhoso de trabalhar com Guedes. “As reuniões no Leblon [durante a campanha eleitoral] não serão esquecidas. Realmente estamos numa orquestra bem afinada sob a regência do maestro Paulo Guedes”, contou. 

Campos Neto ressaltou que se empenhará para que o BC cumpra as duas principais missões: manter o poder de compra da moeda por meio de inflação baixa e a solidez do sistema financeiro. Na próxima semana, o presidente do BC comandará sua primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), órgão que define a taxa Selic – juros básicos da economia – atualmente em 6,5% ao ano. Ele também afirmou que o governo trabalhará para ampliar o mercado de capitais privado (captação de recursos para grandes projetos pelo setor privado), pela democratização do sistema financeiro e para melhorar a educação financeira da população, para estimular a participação de todos no mercado e ampliar a formação de poupança. 

A autonomia do BC está atualmente em discussão no Congresso Nacional. Pela proposta, o presidente da República não poderia interferir na política monetária, com o BC tendo liberdade para decidir sobre os juros e tomar medidas. “Na dimensão de inclusão, visando ampliar a participação nos mercados, duas importantes ferramentas para a promoção de novos avanços são os programas de microcrédito e o estímulo ao cooperativismo. Experiências internacionais demonstram o sucesso dessas políticas. Por isso, iremos promover grupos de estudos junto a participantes do mercado e à sociedade civil para que possamos nos espelhar nos exemplos bem sucedidos e buscar adequá-los à realidade de nosso país e de cada uma de nossas regiões”, anunciou. 

Neto do economista Roberto Campos, ministro do Planejamento nos anos 1960, Campos Neto pregou a redução do papel do governo no sistema financeiro e o desenvolvimento do setor privado. “Queremos tornar o mercado mais aberto para os estrangeiros, com uma eventual moeda conversível que sirva de referência para a região”, declarou. Ele também defendeu a redução do crédito subsidiado para empresas, principalmente para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  Para Campos Neto, as distorções provocadas pelos empréstimos com juros reduzidos ficaram mais explícitas depois da redução da taxa Selic para 6,5% ao ano.

O ex-presidente do BC Ilan Goldfajn fez um balanço de sua gestão. Ele lembrou que conseguiu reduzir a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 11% no fim de 2015 para cerca de 4%, ao mesmo tempo em que reduziu a taxa Selic – juros básicos da economia – para 6,5% ao ano, no menor nível da história. Segundo ele, a maior transparência do BC com a sociedade e o ganho de credibilidade contribuíram para reduzir as expectativas de inflação. Goldfajn, no entanto, defendeu a aprovação de reformas e da autonomia formal do BC como medidas que contribuirão para manter a inflação em níveis baixos de forma sustentada. “A queda na inflação permitiu redimensionar expectativas e liberar forças de demanda após dois anos de combinação perversa de inflação e recessão [2015 e 2016]. A redução da Selic ocorreu de forma sustentável. Os juros de mercado indicam confiança de que podemos ter juros mais baixos de forma estrutural no futuro, dependendo da aprovação reformas e da administração da economia”, declarou.

Segundo Goldfajn, a política monetária em seu mandato buscou manter juros baixos para estimulara a economia. Ele sublinhou que uma prova do sucesso de sua gestão foi que, no ano passado, o Brasil não teve que aumentar a taxa Selic num cenário de alta do dólar, queda no preço de commodities (bens primários com cotação internacional) e fuga de recursos para economias avançadas. Além da gestão da política monetária, Goldfajn destacou a Agenda BC+, conjunto de medidas para reduzir o custo do crédito, modernizar a legislação, ampliar a inclusão financeira e tornar o sistema financeiro mais eficiente. Segundo o ex-presidente, de 41 ações da Agenda BC+ foram concluídas e 27 estão em andamento. Ele citou como principais medidas a regulamentação da Fintechs (instituições financeiras tecnológicas de crédito colaborativo), a portabilidade da conta-salário, a Taxa de Juros de Longo Prazo (TLP) e o limite de 30 dias para o rotativo do cartão de crédito. “Tudo isso contribuiu para levar a um menor custo de crédito para a sociedade”, recordou. Goldfajn também afirmou que é necessária a autonomia do BC, medida que não conseguiu concluir. 


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/7204/roberto-campos-neto-defende-autonomia-e-inflacao-baixa" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

Atividade econômica do Sul tem alta de 0,4% no trimestre encerrado em maio - De acordo com o Banco Central, a região apresenta sinais consistentes de estabilização e retomada gradual da economia

Banco Central anuncia ações para baixar custo do crédito - Goldfajn confirmou que será proposta a cobrança de preços diferenciados para pagamentos em dinheiro e cartão de crédito

Banco Central indica corte menor de juros - Copom também prevê fim gradual do ciclo de reduções

Banco Central mantém juros básicos em 6,5% ao ano - A decisão do Copom já era esperada pelo mercado

Banco Central prevê queda do PIB de 3,3% este ano - A inflação, medida pelo IPCA, deve ficar em 6,9%

Banco Central projeta inflação de 4% para este ano - Se a estimativa se confirmar, IPCA ficará abaixo do centro da meta

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: