Produção de veículos cresceu 29,9% em fevereiro

Crise na Argentina deve prejudicar exportação brasileira

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Produção de veículos cresceu 29,9% em fevereiro, anuncia Anfavea

O setor automotivo não espera que as exportações de veículos cresçam este ano, principalmente por causa da situação na Argentina, que passa por uma crise cambial. “Infelizmente, neste ano, as exportações de veículos não serão as melhores notícias”, declarou nesta segunda-feira (11) o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Carlos Botelho Megale. “O nosso principal problema é o nosso principal parceiro, que é a Argentina, que infelizmente, está em uma situação muito difícil e acreditamos que o mercado argentino será muito baixo este ano. Estamos fazendo um esforço importante para mandarmos veículos para outros países como Colômbia, Chile e Uruguai. Estamos buscando novos mercados fora da América Latina também”, relatou. 

Segundo ele, as empresas devem se esforçar para substituir o mercado argentino por outros. "Mas isso leva tempo. E o mercado argentino é o segundo maior mercado da América do Sul. Então, quando ele se retrai, nós, que somos os maiores fornecedores, sentimos”, acrescentou. Em fevereiro, as exportações atingiram a marca de US$ 876 milhões. “Abaixo de US$ 1 bilhão. E US$ 1 bilhão é uma referência boa para a gente. Acima é um número razoável. Mas estamos abaixo. Se somarmos janeiro e fevereiro estamos com US$ 1,6 bilhão. É muito aquém, 36% abaixo do ano passado”, disse Megale.

Em fevereiro, a produção de veículos no país cresceu 29,9% na comparação a janeiro e 20,5% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Segundo a Anfavea, 257,2 mil veículos foram produzidos no país em fevereiro.  Já as vendas de veículos (o que engloba veículos leves, caminhões e ônibus e incluindo também os importados) apresentou queda de 0,6% em comparação a janeiro e aumento de 26,6% em comparação a fevereiro do ano passado, com 198.641 veículos produzidos.

“A boa notícia de fevereiro foi a produção, quando ultrapassamos 257 mil veículos. Para um fevereiro, que é um mês curto, é um bom número. Tivemos um mercado interno bom, com mais de 198 mil unidades comercializadas, o que dá uma média diária de 9,9 mil unidades comercializadas. Então o ano está começando bem”, analisou Megale. Segundo ele, esses números positivos na produção e na venda se devem principalmente ao aquecimento do mercado interno. “O primeiro ponto é a confiança. Há um clima mais otimista, as pessoas estão mais confiantes na manutenção de seus empregos e achando que o país está voltando a crescer. O segundo ponto é o financiamento. O nível de inadimplência está muito baixo no país. Os bancos estão mais animados para oferecer crédito”, avaliou o presidente da Anfavea.

Megale também comentou sobre o programa IncentivAuto, do governo paulista, que prevê incentivos fiscais a montadoras que façam novos investimentos no estado. Serão concedidos descontos de até 25% no valor do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para empresas que apresentarem planos de construção ou ampliação de plantas industriais em valores superiores a R$ 1 bilhão. Para se beneficiarem das reduções tributárias, as companhias deverão gerar pelo menos 400 novos postos de trabalho. Para ele, o plano é positivo pois ajuda a reduzir a carga tributária e mostra sensibilidade do governo com o setor. Mas, para Megale, a proposta não trará benefícios em curto prazo e não contempla a maior preocupação da indústria automobilística, que são os créditos acumulados.

“Acho que toda redução de carga tributária no país é bem-vinda. O Brasil tem uma carga tributária muito elevada para o nosso setor, muito acima de outros países, então, qualquer redução de carga, mesmo que seja de um estado, é positiva. Mas esse é um programa que parece que vai ter efeito mais de médio a longo prazo. A curto prazo ele não tem efeito. E o que temos falado é que hoje, a curto prazo, temos um problema que precisa ser equacionado, que é dos créditos de ICMS retidos pelo governo de São Paulo”, falou o presidente da associação. Segundo Megale, essa questão já está sendo negociada com o governo paulista. “A gente espera que novas medidas venham no sentido de a gente aproveitar esse crédito, talvez até revertendo ele para novos negócios na indústria”, relatou.

“O que resolveria [o problema] é a devolução dos créditos, que são de direito das montadoras. Quando, por exemplo, você compra uma peça, você paga o ICMS. Quando você exporta o veículo, a exportação é isenta de ICMS. E isso fica retido no governo. Isso é dinheiro das montadoras. Inclusive, o cálculo do preço do veículo a ser exportado considera isso como recurso nosso. Se isso fica retido no estado e o estado não devolve para as montadoras, isso acaba virando prejuízo. E isso preocupa as empresas”, explicou o presidente da Anfavea. A soma de recursos retidos, afirmou Megale, chega a superar R$ 5 bilhões.


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/7186" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

ABDI: crise argentina deixa Brasil sob alerta - Setor automotivo deve sofrer maior impacto

Acordo comercial entre EUA e México pode afetar Brasil - AEB prevê mais prejuízo para o setor automotivo

Acordo de leniência da Braskem avança - No ano passado, a petroquímica iniciou investigações internas

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

AEB prevê superávit comercial de US$ 46,9 bi para 2016 - Apesar da ampliação, exportações renderão menos este ano

Agosto foi o melhor mês em produção de veículos desde 2014 - De acordo com Anfavea, montadoras instaladas no país ampliaram a fabricação em 18,6%

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: