O tempo e os ventos do mercado

Uma reflexão sobre projetos de longo prazo e o risco que envolvem

Por André D´Angelo

Airbus Superjumbo A380

A Airbus decidiu descontinuar a fabricação de seu superjumbo A380 (foto). Concebido em fins dos anos 1990 e em atividade desde 2007, o produto nasceu da aposta de que a demanda por voos internacionais iria se concentrar em grandes aeroportos e privilegiar aeronaves capazes de transportar a maior quantidade de passageiros possível em uma única viagem. Do desenvolvimento ao primeiro voo, passaram-se uns dez anos - tempo suficiente para que o produto entrasse em operação bem no início de uma crise econômica mundial (saiba mais aqui). 

O caso ilustra a dificuldade de empresas que precisam fazer investimentos mirando o longo prazo tomando como referência realidades econômicas e mercadológicas que nem sempre se confirmam com o passar dos anos. 

Exemplos próximos não nos faltam.

A Honda acaba de colocar em operação, no interior de São Paulo, uma fábrica que ficou pronta três anos atrás – e que desde então estava fechada, aguardando um melhor cenário econômico.

Um hospital particular de Porto Alegre fez pesados investimentos em sua área de oncologia – apenas para descobrir, com o tempo, que a demanda mais premente e rentável seria por leitos na maternidade.

Um shopping, também da capital gaúcha, construiu um novo edifício garagem, visando acabar com o estresse da busca por vagas em dias mais movimentados. Inaugurou-o bem na época que os apps de transporte ganhavam popularidade, tornando a construção, atualmente, ociosa.

Se algo pode ser aprendido dos casos acima é que convém: 1. dosar os riscos; e 2. ser pragmático. 

1. A aposta da Airbus num avião para até 800 passageiros ocorreu concomitantemente à da Boeing em aviões de menor porte em relação ao europeu. Os norte-americanos acreditavam em um transporte mais pulverizado entre aeroportos menores e distâncias mais curtas. Certa ou errada em relação às suas premissas de meados dos anos 1990, o fato é que a Boeing esteve mais próxima de sua área de expertise, projetando aviões que eram evoluções dos atuais, e não um grande e complicado salto frente ao que já faziam, como ocorreu na Airbus. Além disso, a companhia de Seattle jogava com uma outra vantagem: nem ela nem seus potenciais clientes dependiam de terceiros. Poucos aeroportos tinham infraestrutura para receber um avião do porte do A380, outro óbice ao sucesso do projeto europeu.

2. Sobre o pragmatismo: a Honda teve a frieza de concluir uma fábrica novinha em folha e deixá-la fechada esperando momento melhor para colocá-la em funcionamento. Assumiu que a aposta na economia brasileira não se confirmou e achou melhor não incorrer em prejuízos ainda maiores caso a pusesse em operação. 

No mais, é tentar fazer do limão uma limonada. Um circuito de kart ajuda a diminuir o prejuízo que o edifício garagem causa ao shopping – enquanto ao hospital resta torcer macabramente para que os casos de câncer aumentem vertiginosamente...


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/7164/o-tempo-e-os-ventos-do-mercado" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

A corda esticada - Até onde deve ir a extensão de uma marca?

A magia do vinho no sudoeste da França - Fernando Dourado Filho conta como a bebida pode mudar o rumo dos negócios

A Pauliceia desvairada - São Paulo tem uma legião de fãs e que certamente não a trocam por lugar nenhum no mundo

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

Ano do Galo: hora de encarar o dragão chinês - Não há mais como o Brasil, a futura quinta maior economia mundial, deixar de levar a maior economia a sério

Artecola: o impulso que vem de fora - Presente em sete países, empresa colhe os frutos da internacionalização

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: