Grupo de trabalho vai discutir revisão do contrato de Itaipu

Uma redução no volume ou alta no preço poderiam afetar a tarifa

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Grupo de trabalho vai discutir revisão do contrato de Itaipu

O Ministério de Minas e Energia criou um grupo de trabalho (GT) para coordenar os estudos do processo de revisão do tratado da Hidrelétrica Binacional Itaipu (foto), localizada no Rio Paraná, na fronteira entre o Brasil e Paraguai. De acordo com portaria publicada nesta quarta-feira (13) no Diário Oficial da União, o grupo será formado por membros da pasta de Minas e Energia. O GT terá prazo de dois meses para apresentar um plano de trabalho com as etapas necessárias para conclusão dos estudos. O coordenador do GT poderá ainda convidar especialistas de outros órgãos e entidades, bem como representantes da sociedade civil e de associações, para participar das reuniões e dos trabalhos a serem desenvolvidos. 

O trabalho recairá sobre o Anexo C do tratado, que trata da parte financeira do acordo. Assinado em 1973, o ele prevê que, em 2023, haverá revisão dos valores para venda da energia produzida pela usina. Tanto o Brasil quanto o Paraguai têm direito a 50% da energia produzida, mas parte da eletricidade destinada ao país vizinho é vendida para o Brasil. Entre outros pontos, a discussão sobre a revisão vai recair sobre o custo da tarifa e a possibilidade de a energia da usina ser vendida a qualquer comprador, e não somente a Brasil e Paraguai. Depois dessa data, nova revisão só ocorrerá em 2073. 

A energia vendida ao Brasil abastece clientes nas regiões Sul e Sudeste. Uma redução no volume ofertado ao Brasil ou o aumento no preço cobrado pela energia importada poderiam afetar a tarifa de energia elétrica no Brasil. A tarifa de Itaipu é calculada pelo custo e um componente importante nessa conta é o pagamento da dívida (de aproximadamente US$ 27 bilhões) contraída para construção do empreendimento. Esse financiamento, cujo pagamento equivale a cerca de dois terços da tarifa, estará totalmente amortizado em 2023. Mantidas as condições atuais, cada país terá a seu dispor US$ 1 bilhão por ano para investimentos diretos.

A Usina de Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada. Atualmente, a usina responde por 17% do mercado brasileiro de eletricidade e 85% do consumo paraguaio. Itaipu é a 14ª empresa da região e a sexta do Paraná, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL, publicado por AMANHÃ, em parceria técnica com a PwC. 


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/7071" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

A gigante da energia paranaense - Como a Copel usou a engenharia para vencer os limites estaduais

Aneel autoriza reajuste de tarifas de energia da região Sul - Três das cinco cooperativas terão valores reduzidos

Aneel leiloa todos os lotes de linhas de transmissão e subestações no Sul - Os projetos para a região somam um aporte total de R$ 8,5 bilhões. A Neoenergia e a CPFL conquistaram metade das ofertas

Até 2024, 1 mi de brasileiros devem gerar energia própria - Uma residência pode obter o retorno do investimento a partir de 4 anos

Brasil e Paraguai assinam declaração para duas pontes - A parte brasileira de Itaipu financiará obra no Paraná

Consumo de energia caiu 1,8% em 2015, revela ONS - Subsistema Sul teve queda de 3,2% na demanda

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: