Saques na poupança superam depósitos em R$ 11,2 bilhões

É a maior retirada para janeiro desde 2016, segundo o Banco Central

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Saques na poupança superam depósitos em R$ 11,2 bilhões, informa o Banco Central

A população brasileira sacou mais dinheiro do que depositou na poupança ao longo de janeiro deste ano. O saldo de saques menos depósitos para o mês ficou em R$ 11,2 bilhões, informou o Banco Central (BC). Ao todo, foram depositados na caderneta de poupança R$ 194,6 bilhões. As retiradas durante o primeiro mês do ano somaram R$ 205,8 bilhões. 

Esse resultado representa a maior retirada de recursos da poupança para o mês de janeiro desde 2016, quando a diferença entre saques e depósitos foi de R$ 12 bilhões. A série histórica registra as movimentações da caderneta desde 1995. Em janeiro, os rendimentos da aplicação mais popular do país resultaram em crédito de R$ 2,9 bilhões. O saldo atualmente depositado na poupança está em R$ 788,9 bilhões, segundo o BC.

Pela legislação em vigor, o rendimento da poupança é calculado pela soma da Taxa Referencial (TR), definida pelo BC, mais 0,5% ao mês, sempre que a taxa básica de juros (Selic) estiver acima de 8,5% ao ano. Quando a Selic é igual ou inferior a 8,5% ao ano, como ocorre atualmente, a remuneração da poupança passa a ser a soma da TR com 70% da Selic. Hoje, a taxa Selic está em 6,5% ao ano.


leia também

A crise invejável da Liderança Serviços - Crescimento da empresa será de “apenas” 8% neste ano

Ações da Marcopolo podem valorizar mais de 50% - Fabricante de ônibus faz parte da carteira da Planner

Alimentos ajudam a reduzir inflação em novembro - Em 12 meses, o IPCA acumula taxa de 6,9%, bem abaixo dos 7,8% de outubro

Alimentos pressionam e inflação volta a subir - IPCA já acumula alta de 8,74% nos últimos doze meses

Ano novo, vida nova? Nem tanto - O cenário econômico brasileiro deve permanecer instável em 2016

Aumento da gasolina fez inflação avançar em outubro - No acumulado desde janeiro, o índice teve elevação de 8,4%

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: