Os cargos mais difíceis para se recolocar no mercado

Funções ligadas ao varejo e comércio exterior estão entre eles

Por Infomoney

Os cargos mais difíceis para se recolocar no mercado

O ano de 2015, com certeza, não está sendo bom para o mercado de trabalho. Só no mês de maio, a população desocupada cresceu 4,8% em relação a abril, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar de vários setores estarem sofrendo com as demissões, como o varejo, mineração e automobilístico, existem profissionais que estão com dificuldades para se recolocar no mercado. De acordo com uma pesquisa da consultoria Page Personnel, para algumas profissões, o tempo de espera para se conseguir um emprego pode durar até um ano.


As sete profissões indispensáveis no futuro


O gerente executivo da Page Personnel, Ricardo Ribas, afirma que as vagas congeladas ou fechadas, processos de contratação demorados e mais profissionais disponíveis no mercado tornam o cenário desafiador. “Esses fatores estão impactando diretamente nas ofertas de trabalho neste ano. Como há mais pessoas à procura de emprego e menos vagas abertas, o tempo de recolocação se tornou maior. São casos onde a espera pode levar de seis meses ou mesmo um ano. Isto não acontecia desde 2009”, recorda.

Veja abaixo as profissões que estão com dificuldades de contratação de acordo com levantamento exclusivo feito pela Page Personnel.

Supervisor de Obra
Salário: de R$ 7 mil a R$ 15 mil
Tempo médio de recolocação: de 6 meses até 1 ano
O que faz: acompanhamento da obra, supervisionando todas as etapas da construção
Setor: Construção Civil
Motivo: o setor imobiliário passa por um momento de diminuição de novos lançamentos, frente ao grande volume de obras já lançadas e alta taxa de vacância. Esse cenário é muito impactado no setor residencial, que envolve o consumidor final

Engenheiro de Projetos Industriais
Salário: de R$ 8 mil a R$ 11 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: coordena projetos dentro do portfólio de investimento da empresa, incluindo reformas, ampliações e readequações de infraestrutura
Setor: Industrial
Motivo: devido ao cenário econômico atual, a indústria passa por uma queda acentuada de investimentos em bens de capital e ampliações pelo recuo das atividades de produção. Nesse momento as empresas estão sendo mais cautelosas com lançamentos de novos produtos e até mesmo ampliações de linhas, priorizando a aplicação de capital em áreas como manutenção e processos

Profissional de Comércio Exterior
Salário: de R$ 3 mil a R$ 6 mil
Tempo médio de recolocação: de 6 meses a 1 ano
O que faz: lida com processos de comércio exterior, documentação e garantia de entrega e recebimento do produto desde a origem ao destino final
Setor: Indústria
Motivo: há baixa demanda de produção e redução de linhas

Analista Sênior e Coordenador Administrativo Financeiro
Salário: de R$ 6 mil a R$ 8 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: supervisiona e coordena rotinas financeiras de tesouraria, podendo ter gestão sobre áreas de TI, RH e Facilities
Setores: Indústria e Serviços
Motivo: englobando atividades em diversas áreas, esse profissional é um braço de confiança de pequenas e médias empresas. Com isso, a escolha pode demorar mais ou vir através de uma indicação pessoal

Analista Contábil Pleno
Salário: de R$ 3,5 mil a R$ 5 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: Operacionaliza rotinas contábeis como análises, classificações e conciliações, ajudando na composição de balanços e balancetes
Setores: Indústria e Serviços
Motivo: apesar de ser um dos cargos com maior demanda na área de finanças, a falta de boa qualificação e um segundo idioma dificulta a recolocação desse profissional

Gerente de Vendas
Salário: de R$ 7 mil a R$ 12 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: supervisiona equipe de vendas, se envolve em negociações com grandes clientes, além de fazer análise de vendas
Setores: Indústria e Serviços
Motivo: estruturas hierárquicas estão tendo menos posições gerenciais

Analista e Coordenador de Marketing
Salário: de R$ 4 mil a R$ 8 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: profissionais que cuidam de comunicação interna ou externa
Setores: Indústria e Serviços
Motivo: marketing é sempre uma área afetada quando a economia se retrai. As áreas de produtos e mais analíticas se mantém nesses momento, mas a área de comunicação sempre é a mais comprometida

Secretária Executiva
Salário: R$ 6 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: presta assessoria aos executivos. Suporte em questões como controle de agenda, logística de viagem, resolução de questões particulares e familiares, tradução de materiais e participação em reuniões
Setores: Indústria e Grandes Empresas
Motivo: as companhias fizeram uma forte reestruturação em todas as área e a de secretariado foi igualmente prejudicada. Secretárias acumularam funções de outras, passando a assessorar de 2 a 3 executivos. Com isso, as demais ficam no mercado, que não oferece muitas oportunidades para essas profissionais

Analista de Suporte
Salário: de R$ 3 mil a R$ 4,5 mil
Tempo médio de recolocação: 5 meses
O que faz: atendimento e resolução de chamados, contato com o usuário, registro de chamadas (em inglês) e resolução de problemas técnicos e operacionais
Setor: Consultorias de Grande Porte
Motivo: por mais que grandes empresas tenham um volume alto para essas vagas, a grande maioria delas estão buscando profissionais com espanhol e inglês fluentes para aumento de eficiência, mas não estão encontrando trabalhadores com domínio dessas duas línguas

Gestor de TI
Salário: de R$ 7,5 mil a R$ 10 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: negociação de contratos de fornecedores, gestão de terceiros e parceiros, cuidar da área de TI, interagir com outros setores para assuntos estratégicos, conduzir projetos de tecnologia, identificar e administrar riscos
Setor: todos 
Motivo: como são profissionais com a remuneração mais elevada e de perfil mais estratégico, as empresas estão demorado um pouco mais ao tomar a decisão para contratar esses profissionais

Analista de Recrutamento e Seleção
Salário: de R$ 3 mil a R$ 5 mil
Tempo médio de recolocação: 6 meses
O que faz: análise de currículos, entrevistas por competências, divulgação de vaga, alinhamento das posições em aberto com seus respectivos gestores e testes comportamentais
Setor: todos
Motivo: o mercado está mais cauteloso para contratações. Por essa razão, a área de recrutamento é diretamente afetada, pois se o mercado não está em busca por profissionais a área fica mais ociosa e revela menos importância



leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: