Fiesc lança programa para ampliar a internacionalização da indústria de SC

Objetivo é tornar as empresas mais competitivas e prepará-las para as possibilidades que o mercado internacional oferece

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Maria Teresa Bustamante, presidente da Câmara de Comércio Exterior da Fiesc

A Federação das Indústrias (Fiesc) lançou o Programa de Internacionalização da Indústria de Santa Catarina, na reunião de diretoria da entidade, nesta sexta-feira (14), em Florianópolis. A iniciativa tem o objetivo de tornar as empresas mais competitivas e prepará-las para as diversas possibilidades que o mercado internacional oferece, seja exportação, importação ou alianças para fazer frente aos concorrentes internacionais presentes no Brasil e no exterior. Por meio do programa, a Federação mapeou 60 iniciativas, programas e serviços nacionais e catarinenses, dos quais boa parte são gratuitos, e estão disponíveis às empresas que desejam melhorar o desempenho nessa área. Ao longo do próximo ano, pelo menos 570 indústrias de todas as regiões catarinenses de micro, pequeno, médio e grande portes serão convidadas a participar de encontros e realizar um diagnóstico que vai medir o grau de maturidade da companhia em relação à internacionalização.

“A internacionalização é um dos quatro pilares da nossa gestão ao lado de infraestrutura, inovação e inclusão de pessoas e empresas. A indústria de Santa Catarina tem setores reconhecidos no mercado internacional, mas há um contingente de empresas, principalmente de pequeno e médio portes, que têm grande potencial para avançar nessa área, mas ainda precisam se preparar para isso. Sabemos que a concorrência não é mais local, mas sim, global. Ainda que muitas indústrias não atuem propriamente no comércio internacional, seus produtos e serviços enfrentam a concorrência de empresas do exterior que atuam no mercado brasileiro. Por isso, é essencial ter competitividade”, afirmou Mario Cezar de Aguiar, presidente da Fiesc. Ele lembra que o plano será apresentado nas 16 vice-presidências da entidade e vai mobilizar lideranças dos mais diversos segmentos.

“Precisamos mudar a chave da compreensão do que é internacionalização”, declarou Maria Teresa Bustamante (foto), presidente da Câmara de Comércio Exterior da Fiesc, lembrando que internacionalização vai muito além da exportação e da importação. “É decisão estratégica da empresa se ela vai exportar, importar ou fazer alianças estratégicas internacionais. O que temos por obrigação, como defensores da indústria, é que as empresas têm de ser competitivas e estar preparadas para enfrentar o concorrente externo, seja em nosso país ou no exterior”, completou. Em sua apresentação, Maria Teresa explicou que a partir da aplicação do diagnóstico individual, a empresa saberá o seu grau de maturidade em relação ao comércio exterior e, com isso, poderá criar um plano de ação. “A partir das respostas, é possível identificar se a empresa está madura para o comércio internacional ou quais os requisitos ela precisa preencher para isso. Há ferramentas que envolvem benefícios fiscais, como o Drawback, por exemplo, que são desconhecidas. Se o diagnóstico mostrar que a empresa precisa avançar em contratos internacionais, vamos qualificá-la para que ela domine isso”, explicou.

A presidente da Câmara recordou que o Brasil tem sua economia aberta e o novo governo tem anunciado a intenção de reduzir alíquotas de importação, o que reforça a importância de a indústria brasileira ampliar sua competitividade para poder fazer frente a essa nova realidade. Dados levantados pela Fiesc mostram que cerca de 6,5 mil indústrias catarinenses exportaram de 2012 a 2017. Dos 50 mil estabelecimentos industriais presentes no estado, 13% atuam em comércio internacional.

s ações já realizadas no âmbito do programa podem ser divididas em quatro fases: mapeamento e análise de programas existentes, estudo e identificação de empresas potenciais, proposta de sensibilização e indicadores de medição. Em 2019 serão realizados 26 eventos regionais de sensibilização, nas 16 vice-presidências da Fiesc, com foco nas micro e pequenas empresas. Os encontros terão dois formatos. Um é o Diálogo Empresarial, focado na alta direção das empresas, e o outro é um workshop que reunirá lideranças das empresas e profissionais de comércio exterior. No segundo semestre está prevista ainda a realização do “Diálogo Empresarial Transfronteiriço para Internacionalização”, no extremo-oeste, e também um encontro em Florianópolis com a participação das empresas sensibilizadas e entidades que integram o ecossistema industrial ligado à internacionalização. No final do próximo ano deve ser lançada uma plataforma on-line que vai permitir maior conexão entre as empresas que atuam na área, vai oferecer inteligência competitiva, capacitação, entre outras ações.


leia também

A Parceria Transpacífico cumprirá o que promete? - Há dúvidas sobre o impacto da TPP na criação de empregos

Artecola: o impulso que vem de fora - Presente em sete países, empresa colhe os frutos da internacionalização

As inúmeras lições da Operação Carne Fraca - Glauco Côrte analisa a ação que afetou o setor agroindustrial

BRF anuncia aquisições em três países - Os ativos foram comprados por US$ 496 mi

Carta une Federações de Indústrias do Sul - 1º Fórum Sul-Brasileiro de Relações do Trabalho debateu reforma

CEOs do Paraná avaliam como prioritária relação com EUA - Setor educacional é o que mais atrai, revela pesquisa da Amcham-Curitiba

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: