BC: manutenção da Selic depende das reformas

Alerta foi feito por Goldfajn em audiência no Senado

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central

A inflação baixa e os juros básicos, taxa Selic, no menor nível histórico, relevantes para o crescimento da economia, só vão se manter no médio e longo prazos se forem aprovadas reformas como a da Previdência. O alerta é do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn (foto), em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, na manhã desta quarta-feira (5).

“De março para cá, houve uma resiliência das nossas instituições, das nossas expectativas, de forma que foi possível manter a taxa de juros em 6,5% ao ano, apesar da volatilidade e o ambiente mais desafiador para as economias emergentes [como o Brasil]”, declarou. “Esses resultados, ligados à inflação baixa, juros na mínima histórica, relevantes para o crescimento, só vão poder se manter no médio e longo prazo desde que a gente se mantenha no processo de aprovação de reformas, notadamente as de natureza fiscal e ajustes na economia brasileira”, afirmou Goldfajn. 


leia também

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

Alimentos ajudam a reduzir inflação em novembro - Em 12 meses, o IPCA acumula taxa de 6,9%, bem abaixo dos 7,8% de outubro

Alimentos pressionam e inflação volta a subir - IPCA já acumula alta de 8,74% nos últimos doze meses

Anefac: juros sobem pelo 16º mês seguido - Bancos elevam taxas para compensar aumento da inadimplência

Ano novo, vida nova? Nem tanto - O cenário econômico brasileiro deve permanecer instável em 2016

As "veias abertas" e Temer - Nada nos autoriza a esperar que um mandato-tampão venha a encantar ou reverter os rumos de uma república minada

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: