É preciso acelerar as reformas, pois o Brasil tem pressa

Pedrozo crê que PIB voltará a crescer apenas com ajustes

Por José Zeferino Pedrozo*

O vasto e multifacetado universo do agronegócio chega ao fim de 2018 vergastado pelas dificuldades que marcaram o cenário deste ano.  O desemprego, a queda de renda da população, o baixo consumo das famílias, a elevação de custos dos insumos e a greve dos caminhoneiros formaram um conjunto de percalços cujos efeitos impactaram todos os segmentos da economia. Da mesma forma, os exagerados efeitos midiáticos das Operações Carne Fraca e Trapaça devastaram injustamente a reputação de importantes empresas. O setor de alimentos – geralmente o último a sentir os efeitos da crise – não ficou incólume. Produtores e empresários rurais, agroindústrias e indústrias fornecedoras de insumos ao agro fecharão o ano com os resultados no vermelho. 

É verdade que as eleições e a promessa de mudanças e transformações trouxeram um novo ânimo ao mercado – e aí reside a essência e a beleza da Democracia. Mas também é verdade que, nesse momento, não se manifestou ainda, concretamente, qualquer sinal de melhora. As vendas da indústria de alimentos para o Natal, historicamente contratadas em outubro e até a primeira quinzena de novembro, decepcionaram. Esse quadro de dificuldades não turva a previsão e a sensação de otimismo para 2019. Empresários, trabalhadores e empreendedores esperam um novo cenário. Porém, há um forte consenso de que o novo governo deve utilizar seu imenso capital político para apresentar de imediato um corajoso programa de reformas. Não será fácil, pois o tamanho do desafio fiscal é enorme, especialmente porque, nos últimos três mandatos, a responsabilidade fiscal foi abandonada.

Somente um programa crível de ajustes viabilizará o crescimento da economia brasileira. Inescapavelmente, o primeiro e mais vigoroso movimento deve se dar na reforma da Previdência. Porém, para equilibrar as contas públicas, são necessárias medidas como a contenção de outras despesas, como a redução do tamanho da administração pública e o corte de privilégios. Problema: o orçamento federal é muito engessado e o governo consegue dispor de apenas 10% dos gastos não financeiros. A sociedade e o mercado esperam que, além das reformas, as políticas de ação do governo que assume em janeiro marquem o fim de um ciclo de forte intervencionismo do Estado que se manifesta desde a Democratização. 

As formas mais eficazes para estimular a economia são os investimentos em infraestrutura (com um programa ambicioso em rodovias, ferrovias, hidrovias e geração de energia elétrica) e os estímulos às exportações. Aqui, mais uma vez, haverá a contribuição da agricultura e do agronegócio, com a capacidade já demonstrada, de oferecer um superávit de US$ 100 bilhões ao ano mediante a exportação de grãos, carnes, frutas, lácteos etc. O Brasil tem pressa. É preciso acelerar as mudanças para recuperar o tempo perdido nesses quatro anos de crise. A agricultura fará mais uma vez a sua parte. Da futura administração se espera responsabilidade fiscal, reformas profundas, adoção de princípios de meritocracia, com mais mercado e menos intervenção estatal.

*Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC).



leia também

As "veias abertas" e Temer - Nada nos autoriza a esperar que um mandato-tampão venha a encantar ou reverter os rumos de uma república minada

Banco Central atua e dólar fecha o dia cotado a R$ 4,14 - Ação conteve a disparada da moeda que superou R$ 4,20

BC ofertará dólares de reservas para segurar alta da moeda - A cotação está sendo influenciada pela turbulência do mercado financeiro

BC: manutenção da Selic depende das reformas - Alerta foi feito por Goldfajn em audiência no Senado

Câmara aprova texto-base da reforma trabalhista - O projeto de lei altera mais de 100 pontos da CLT

Carne Fraca: Faesc, Sindicarne e Acav se manifestam - Entidades defendem apuração dos fatos e punição exemplar

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: