Briga de cachorro grande

Os bilionários norte-americanos já estão na poeira, quando comparados com os da APAC, que engloba a “Grande China”

Por Milton Pomar

Os bilionários norte-americanos já estão na poeira, quando comparados com os da APAC, que engloba a “Grande China”

A indústria asiática ocupa cada vez mais espaços comerciais no mundo, desde que a China iniciou seu processo de Reformas em 1980. Segundo estudo de 2010 da Organização Mundial do Comércio (OMC), a Ásia respondia por 14% das exportações mundiais em 1948, tendo mais do que dobrado a sua participação em 2009, para 29,4% do total. E a China foi de 0,9% para 9,9%, sendo o seu maior salto nos anos 2000. Na sua publicação “Examen Estadístico del Comercio Mundial 2018”, disponível aqui, a OMC informa que a China respondeu em 2017 por 13% do total das exportações mundiais, com US$ 2,22 trilhões – e um superávit de US$ 421,4 bilhões.

Esses números impressionam ainda mais quando comparados com os de 2004, ano no qual a China era o terceiro maior importador e exportador do mundo, com 5,9% e 6,5% de participação, respectivamente. Naquele ano, a Alemanha detinha 10% das exportações mundiais e os EUA 9,0% – e este respondia também por 16% das importações, seguido à distância pelos alemães, com 7,6%. Importante registrar que Hong Kong e Taiwan, considerados pela China como integrantes do país, já pontuavam em 11º lugar e 15º lugar entre os maiores comerciantes do mundo, com 2,9% e 2% nas exportações, e 2,9% e 1,8% nas importações. 

É importante lembrar desses fatos e conhecer os informes da OMC de 2017 e 2018 sobre o comércio mundial “Comercio, tecnologia y empleo” e “El futuro del comercio mundial: cómo las tecnologías digitales están transformando el comercio mundial”, disponíveis aqui, para se entender melhor o que está acontecendo e para onde vão a indústria, a inovação e o comércio mundiais nos próximos anos – e como tudo isso tem impactado e impactará ainda mais a indústria, empregos, salários, renda e arrecadação tributária no Brasil.

A Inovação entrou definitivamente nesse processo, e avança rápido em toda a Ásia e mais rápido ainda e em maior escala na China – cuja indústria cresceu 6,5% em 2017 e deverá avançar 6,1% neste ano, de acordo com o boletim “World Manufacturing Production – Statistics for Quarter II, 2018”, da Organização de Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas (Unido) –, que passou do 22º lugar mundial em Inovação, em 2017, para o 17º em 2018, na 11ª edição do “World Innovation Index” (Índice Mundial de Inovação), da OMPI (Organização Mundial de Propriedade Intelectual), e já está no 28º lugar (avanço significativo, em relação ao 54º lugar em 2006) no Ranking Global de Competitividade, do Fórum Econômico Mundial. 

Escala e Inovação na indústria turbinam principalmente a economia da China, cuja meta modesta para os próximos 30 anos é tornar-se a maior potência tecnológica do mundo. Essa soma de inovação industrial e grande escala é responsável pelo surgimento de 200 bilionários na China, de 2012 para 2017, e 357, de 2006 para 2017, totalizando 373 neste ano, segundo o estudo “Billionaires report 2018”, da PwC-UBS disponível aqui. É tão grande o destaque para o “fenômeno China”, que a publicação deste ano intitula-se “New Visionaries and the Chinese Century”, e sua principal promessa é que os bilionários asiáticos ultrapassarão os bilionários norte-americanos até 2021.

Crises mundiais à parte, os novos 332 bilionários de 2017 agregaram 19% à riqueza já existente, que atingiu o recorde de US$ 8,9 trilhões. Desses novos bilionários, 107 são chineses, cuja riqueza somada cresceu 39%, de 2016 para 2017, atingindo US$ 1,2 trilhão. Hoje, a China tem 20% dos bilionários do mundo. Aumentou lá e diminuiu nos Estados Unidos: apenas 53 novos em 2017, contra 87 em 2012. Diferença qualitativa importante entre os bilionários dos dois países: os norte-americanos têm, em média, quase dez anos a mais do que os chineses (56 anos de idade média). 

Esses dados todos são interessantes para se avaliar o “mahjong” da geopolítica mundial, no qual o presidente dos EUA joga com uma estratégia muito própria. Talvez por ser muito duro de engolir o enorme e tão veloz crescimento econômico e comercial da Ásia, e em particular o da China. O fato é que os 585 bilionários dos EUA (eram 443 em 2012) já estão na poeira, quando comparados com os 814 da APAC – que engloba a “Grande China” (China continental, Taiwan e Hong Kong), com seus 475, mais os 43 da Oceania e os 296 do Sul e Leste da Ásia (Singapura, Malásia, Tailândia, Índia, Japão, Coréia do Sul, Filipinas e a Indonésia).

Toda essa situação, que antigamente era denominada “briga de cachorro grande”, afeta – ou pode afetar – muito o Brasil já em 2019, em todos os setores da economia: minérios e agronegócio à frente, enquanto exportadores; indústria e serviços, nos dois lados da balança comercial; e o comércio varejista enquanto grande importador. 

Na relação com a China, a nossa fraqueza é a indústria, dada a “desindustrialização” ocorrida a partir dos anos 1990. Câmbio, juros altos e logística precária encarecem os produtos brasileiros, deixando-nos sem condições de ofertar preços competitivos a nível internacional. Talvez a solução para a indústria seja o Brasil se aliar ao maior importador e concorrente da China, como alguns estão propondo, estilo “o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”, ou o contrário: buscar mais investimentos e tecnologia com os chineses para reindustrializar o país, com indústrias e ferrovias modernas e condições de financiamento semelhantes às dos países desenvolvidos. 


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: