As múltiplas rotas do grupo paranaense Sulista

O desejo de expandir os negócios permanece

Da Redação

redacao@amanha.com.br

O case a seguir faz parte do livro “Paraná – Grandes Marcas”, publicado pelo Instituto AMANHÃ.


A história do Grupo Sulista confunde-se com a história de seu fundador Alfredo Meister Neto. No começo dos anos 1980, o empresário era gerente de uma empresa rodoviária que realizava transporte de cimento, tendo participado de obras como a construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu. Surgiu a vontade de empreender, e Alfredo comprou participações da empresa em que trabalhava. De sócio minoritário – começando apenas com 1% das ações –, aos poucos passou a majoritário.

Sediada em Curitiba, a Transportadora Sulista, embrião do futuro grupo, iniciou modesta em 1983. Eram apenas quatro caminhões. Ao firmar dois contratos de transporte de cargas para os Correios, Alfredo começava “o maior desafio de sua vida”, segundo suas próprias palavras. O negócio evoluiu rapidamente: cerca de sete anos depois do começo da empresa, a frota contabilizava 140 caminhões operando para os Correios.

Além da parceria com a estatal, a transportadora também começou a fazer transporte de cereais para terceiros em vários estados das regiões Norte e Centro-Oeste do país. Dentro do Paraná, a Sulista transportava cereais das cooperativas locais para a rede ferroviária federal, chegando a carregar cerca de 400 mil toneladas por ano.

A partir dos anos 1990, a diversificação dos negócios da empresa tornou-se uma necessidade. Alfredo mais uma vez foi ousado e comprou uma empresa aérea, a Total, em 1994. Sediada em Belo Horizonte, a companhia sobreviveu às frequentes crises do mercado aéreo e se consolidou como uma das mais antigas ainda em atividade no país.

Com a consolidação do braço aéreo das atividades da empresa, formou-se o Grupo Sulista, composto pela Transportadora Sulista e pela Total Linhas Aéreas. Somadas as duas áreas de atividades, hoje o grupo emprega 400 pessoas, possuindo unidades nas cidades de Porto Alegre (RS), Joinville (SC), Florianópolis (SC), Curitiba (PR), Guarulhos (SP) Caçapava (SP), Cruzeiro (SP), São Bernardo do Campo (SP), Resende (RJ), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Pouso Alegre (MG), Vitória (ES) e Manaus (AM).

Sucesso em diferentes frentes
Com um faturamento de R$ 250 milhões e transportando 410 mil toneladas anuais, o Grupo Sulista conquistou premiações relevantes nos últimos anos. Em 2017, a Total Linhas Aéreas foi premiada com o quarto lugar entre as 50 melhores emergentes do Sul do Brasil, enquanto a Transportadora Sulista marcou presença na lista das 500 empresas emergentes da região – ambos os estudos realizados e publicados pela Revista AMANHÃ.

Essas conquistas são resultado de um trabalho diversificado nos dois ramos em que atua. Atenta às demandas de seus clientes, a transportadora oferece serviços diferenciados, como o de transporte de cargas completas, veículo exclusivo, transporte sistema milk run – coletas e entregas programadas – e o just in time, que dá a garantia do material na quantidade demandada e no momento necessário para o uso do cliente. 

Para tornar os processos mais eficientes, a Sulista conta com um sistema de rastreamento via satélite sobre o posicionamento da carga, além de possuir uma frota de apoio em caso de emergência e uma equipe de atendimento 24 horas baseada no Centro de Controle Operacional (CCO), conectando todas as unidades da empresa. Pelo sistema ERP KMM, o cliente consegue acompanhar o percurso de sua carga on-line.

No km 22 da Rodovia dos Imigrantes, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, está localizado o Centro de Consolidação da transportadora, com área total de 5,5 mil m2 e área de armazenagem de 2,2 mil m2. O espaço é equipado com docas niveladoras e empilhadeiras, e tem capacidade para realizar serviços de cross-docking, armazenagem e sistematizar as coletas.

Para garantir uma boa performance aos seus clientes, a empresa acompanha regularmente sua operação através de indicadores de desempenho. São medidos o nível de atendimento e de pontualidade, a hora parada, a produtividade e o índice de avarias. “O sucesso da Sulista sempre esteve baseado na organização, em vender bons serviços e estar muito perto do cliente para entender o que ele precisa. Nossa estabilidade se deve à dedicação extrema da equipe, ao profissionalismo, ao empenho. Nada acontece se você não tiver uma boa equipe para enfrentar os desafios do caminho”, afirma Alfredo Meister Neto, o presidente fundador.

Para não ficar dependente apenas do setor de malas postais, a transportadora passou a atuar no segmento automotivo no começo dos anos 2000. São os diferenciais que fazem com que o grupo consiga uma posição de destaque entre os players do mercado. Em 2013, a Sulista começou a trabalhar com os setores metalmecânico, madeireiro e de linha branca. Hoje, os principais clientes da empresa são: Adient, Embraco, Iochpe Maxion, Tupy, Volvo e Whirlpool.

Além disso, o braço aéreo constitui importante espaço dentro dos negócios da empresa. Com sede em Minas Gerais e faturamento de R$ 130 milhões por ano, a Total Linhas Aéreas está consolidada como uma das maiores empresas aéreas do país. Atendendo a clientes como Banco Central, Correios e Petrobras, a empresa faz transporte de cargas e passageiros em cinco aeronaves do modelo Boeing 727 e em quatro aeronaves turbo-hélice ATR. Para abranger os sete estados que atende – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais e Amazonas – a Total possui sete bases e mais um hangar em Manaus, sendo habilitada para operar em toda a América Latina.

Novas rotas para o futuro
Além da preocupação com o bom andamento e desenvolvimento do sistema logístico brasileiro, as ações socioambientais apoiadas pela empresa confirmam o compromisso do Grupo com a sociedade. Reforçam ainda a possibilidade de construir novas rotas e parcerias não apenas nos negócios da empresa, mas também com a população das unidades onde a Sulista está inserida.

Por isso, o grupo apoia projetos sociais vinculados ao Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba, como a campanha “Nota do Bem”, que arrecada notas fiscais, e o programa “Rede do Bem”, que atua em prol da causa da saúde infantojuvenil. Pela parceria com os projetos sociais, a empresa recebeu o certificado de “Amigo do Hospital Pequeno Príncipe”. Além disso, há mais de 30 anos, contribui mensalmente com a APAE.

O grupo também recebeu o Selo Verde, que atesta a qualidade ecológica e socioambiental do produto ou serviço, além dos certificados ISO 9001:2008 e SASSMAQ – Sistema de Avaliação de Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Qualidade. A pauta ambiental se mantém fortalecida na companhia com a obtenção pela Transportadora Sulista da certificação ISO 14000 em 2018.

Desde o começo de suas atividades, o grupo objetiva ampliar o mercado dentro dos seus segmentos de atuação. Atualmente, uma de suas metas é retomar, em breve, o transporte de passageiros na Total Linhas Aéreas. “Passamos por grandes dificuldades, e foram várias as crises no setor. Mas sempre permanecemos equilibrados, dando atenção e prioridade aos clientes, procurando nos adequar aos novos momentos que o mercado exige”, ressalta o fundador.

As rotas do Grupo Sulista são múltiplas em quase quatro décadas de existência. Todas elas cumpriram o seu destino com o sucesso da empresa, que começou com quatro caminhões. Mas a veia empreendedora de Alfredo Meister e seu desejo de expandir os negócios da empresa permanece. Os caminhos continuarão sendo construídos por terra ou por ar.


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: