Indústria química tem melhor trimestre dos últimos 12 anos

Abiquim espera que governo faça esforços para elevar competitividade

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Indústria química tem melhor trimestre dos últimos 12 anos, anuncia Abiquim

A produção brasileira de químicos para a indústria atingiu o melhor desempenho para um terceiro trimestre desde 2007 com uma taxa de crescimento em 1,4% sobre igual período do ano passado. As vendas foram 1,9% maiores. No mesmo período de 2017, o índice de produção ficou em 0,2% e o de vendas foi negativo (-1,9%). A diretora de Economia e Estatística da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Fátima Giovanna Coviello Ferreira, avaliou que, apesar dessa evolução favorável, o crescimento ocorreu sobre uma base fraca, refletindo, basicamente, a volatilidade cambial. “Inseguros quanto ao valor que pagariam pela fatura dos produtos importados, muitos empresários optaram por adquirir o material que precisavam da indústria local”, relatou. A economista afirmou que, apesar desse resultado favorável, houve recuos na comparação mensal de setembro sobre agosto, com uma queda de 5,9% na produção e de 7,8% em vendas. De acordo com ela, o setor vem enfrentando “uma estagnação há, pelo menos, dez anos com períodos de sobe e desce”. Neste ano, em especial, a produção foi afetada pelas incertezas do mercado em relação às eleições presidenciais.

Com o pleito definido, o que se espera, segundo o presidente da Abiquim, Fernando Figueiredo, são medidas que possam aumentar a competitividade da indústria química. Para estimular a produção, Fátima citou a necessidade de um avanço nas reformas em tramitação no Congresso, entre as quais a tributária e previdenciária, além de questões mais pontuais, como redução da taxa de juros e do custo de energia elétrica, incluindo ainda uma política na área petroquímica que favoreça o acesso mais barato a um dos componentes mais usados no setor, a nafta. “Somos muito dependente dessa matéria-prima e caso houvesse uma oferta interna por meio do pré-sal poderíamos reduzir a pressão da dependência externa”, projetou.

Figueiredo também fez uma comparação com os Estados Unidos, mencionando que enquanto lá os investimentos no setor chegam a US$ 220 bilhões, no Brasil estão em torno de US$ 1 bilhão. Segundo ele, no período que antecedeu às eleições, a Abiquim apresentou aos candidatos um estudo encomendado pela empresa de consultoria Deloitte com 73 reivindicações para o desenvolvimento do setor, entre as quais, as mais importantes são as que se referem à matéria-prima e ao custo de energia como forma de tornar a indústria química mais competitiva no mercado global. Caso as medidas possam ser implementadas, a projeção do setor é de triplicar a produção em 2030.


leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

Alta no preço do gás natural surpreende indústria de SC - Tarifa do insumo recebeu elevação média de 10%

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

Atividade econômica do Sul cai 2,5% em 2015 - Queda foi puxada por desempenho negativo do comércio e da indústria

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: