Indústria sugere criar o Ministério da Produção, Trabalho e Comércio

Para a coalizão, pasta nasce com a missão de fomentar investimentos, inovação, produtividade e competitividade

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Indústria sugere criar o Ministério da Produção, Trabalho e Comércio

Dez entidades representantes do setor industrial no país levaram a Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro, a proposta para criação do Ministério da Produção, Trabalho e Comércio, que se fundiria com a atual pasta do Trabalho. A informação conta na edição desta segunda-feira (5) do jornal Valor Econômico. A iniciativa reúne Abimaq, Abinee, Abicalçados, Abiquim, Abit, Abrinq, Anfavea, AEB (de comércio exterior), Cbic (da construção civil) e Instituto Aço Brasil. 

A defesa é que a indústria responde por 32% da arrecadação de tributos federais, 51% das exportações brasileiras e por 21% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, sendo 11% da indústria de transformação. Além de 20% na geração do emprego formal do Brasil. "Tem de ter reconhecimento de sua representatividade na economia brasileira. É um peso enorme e, por isso, não pode ser tratada sem o devido respeito que merece", observou uma das fontes ao Valor Econômico. Para a coalizão, o Ministério da Produção, Trabalho e Comércio nasce com a missão de fomentar investimentos, inovação, produtividade, competitividade e a geração de empregos a partir de uma política de estímulo à produção de bens e serviços.

Segundo o jornal, a iniciativa é uma resposta ao plano de incorporação do Ministério de Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) ao Ministério da Economia, que será comandado por Paulo Guedes. Esse superministério nasce com a reunião das pastas da Fazenda e Planejamento. A decisão do novo governo de juntar os três ministérios gerou grande descontentamento entre representantes da indústria, que não veem sentido na extinção do Mdic. “A acusação de que o Mdic apenas serve para conceder subsídios e incentivos às empresas do setor não procede”, declarou uma fonte ao Valor, lembrando que foi a Fazenda quem mais concedeu subvenções nos últimos governos. No documento, as entidades sugerem a combinação de produção e trabalho em uma única pasta, em linha com o objetivo do novo governo de redução da estrutura do Estado e da burocracia, e de busca por maior eficiência.

Junto com a promessa de análise, porém, o futuro ministro da Casa Civil avisou que Guedes é contra a criação da pasta aos moldes propostos pela indústria. Um dia antes, o futuro ministro da Economia havia anunciado oficialmente a fusão do Mdic com a Fazenda e o Planejamento. Ao receber o documento de uma página produzido pela indústria, Onyx observou ainda que essa é uma discussão de estratégia de governo. "De qualquer maneira, o próprio presidente eleito disse que não iria atrapalhar a indústria", relata outra fonte ao jornal. 


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/6517" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

Guedes mostra prioridades econômicas para indústria do PR - Ministro afirmou que pretende realizar uma abertura comercial ampla

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A dose certa de otimismo em sua equipe - Os otimistas não podem ser confundidos com os acomodados

A flexibilidade no trabalho veio para ficar? - É preciso calma e maturidade ao analisar essa tendência

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: