Tradener: muita energia para ir além

A alta qualificação da equipe é um pilar da companhia paranaense

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A alta qualificação da equipe é um pilar da companhia paranaense Tradener

O case a seguir faz parte do livro “Paraná – Grandes Marcas”, publicado pelo Instituto AMANHÃ.


No incipiente mercado livre de energia, em 1998, uma iniciativa inédita de parceria entre um grupo de profissionais com a Copel deu origem à Tradener – primeira empresa do Brasil autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) a comercializar energia no ambiente de contratação livre. A atividade básica da Tradener, no início, era negociar contratos de energia com consumidores e geradores, de forma a otimizar a enorme sobra de energia que a Copel tinha na região Sul para distribuí-la pelo restante do Brasil. Aproveitando as oportunidades do mercado, a companhia ampliou seu escopo e evoluiu para negócios próprios. Atualmente, a Tradener tem atuação em todas as atividades do ambiente regulatório institucional e nos mercados livre e cativo. Prestes a completar duas décadas, agora em um mercado consolidado com 30% de todo o consumo nacional, a companhia segue com uma atuação ancorada na expertise adquirida como pioneira e na sólida trajetória construída com comprometimento e responsabilidade. Suas atividades são centradas na negociação de contratos, nas áreas de compra e venda de energia, representação e gestão de agentes geradores e consumidores livres de energia elétrica e gás natural. 

Nestes 20 anos, a Tradener acompanhou de perto a evolução do mercado livre de energia elétrica no Brasil. A efetiva implantação do segmento foi marcada pela assinatura do primeiro contrato entre um gerador e um consumidor livre, em 1999, articulado pela Tradener entre a Copel Geração e a Carbocloro Indústrias Químicas S.A. Por seu pioneirismo, a companhia inaugurou modelos de negociação e desenvolveu sistemas de avaliação de riscos comuns no mercado, estabelecendo práticas e soluções inovadoras.

Desde 2003, a empresa é capitaneada somente pela iniciativa privada, tornando-se uma comercializadora independente. Em toda a sua trajetória, a Tradener manteve participação ativa e engajada nas entidades regulatórias, ajudando a construir o mercado livre atual como parte do seu compromisso com o desenvolvimento de uma sociedade mais dinâmica em um setor tão vital como o da energia.

A Tradener aposta na inovação desde o seu nascimento – a começar pelo fato de operar como pioneira no desbravamento de um segmento em construção no país. A partir de sua concepção, a empresa sempre contou com um quadro de colaboradores oriundos do próprio setor elétrico e formado basicamente por profissionais de engenharia elétrica, mecânica e civil, projetistas e profissionais administrativos com experiência no setor elétrico. “Uma das nossas maiores qualidades é que nascemos com o mercado livre. A Tradener nasceu baseada no conhecimento de quem entende de energia elétrica, e por isso o seu atendimento é diferenciado. Porque, além da tecnologia, temos a expertise de mercado”, ressalta Walfrido Avila, presidente da Tradener.

Com presença em todo o território nacional, a Tradener comercializa em média 1200 MWm (megawatts médios) de energia ao ano, para 440 clientes, além de administrar outros 650 MWm. Seu conhecimento de mercado levou a empresa também a atuar internacionalmente. Sua operação externa acompanha as linhas de transmissão de energia e gasodutos, alcançando países vizinhos como o Uruguai e a Argentina. O histórico em números comprova a intensidade da atuação da empresa, que acumula a participação em mais de 500 leilões por ano para compra e/ou venda de energia, com cerca de 70 milhões de MWh negociados. Tais resultados garantem à Tradener a liderança no seu setor e a presença entre as maiores comercializadoras do Brasil. Sua posição alcança ainda maior destaque quando leva em conta o fato de tratar-se de uma empresa independente, totalmente privada e não pertencente a conglomerados de distribuidores ou geradores de energia, nacionais ou estrangeiros.

Motor para o desenvolvimento
A Tradener acredita na energia como motor não só do seu crescimento, mas também como mola propulsora para otimizar o desenvolvimento da sociedade. Para tal, aposta na redução de custos para o consumidor, ofertando um insumo com preço inferior ao do mercado cativo. “A redução de custo para o consumidor é uma prática que mantemos diariamente. Este é o maior trabalho que fazemos, não só ofertando energia própria, mas também comprando energia melhor”, enfatiza Avila. Além da vantagem financeira, a Tradener oferece ao consumidor a flexibilidade para escolher serviços adequados às suas necessidades e segurança nas operações.

Por ser empresa atuante no mercado livre, a Tradener auxilia na migração de consumidores livres – nicho composto principalmente por indústrias de pequeno, médio e grande porte, e empresas comerciais como supermercados, shopping centers e bancos. Para garantir preços competitivos, a Tradener aposta em um modelo de compra pulverizada, ou seja, busca não concentrar as negociações de energia somente com uma ou com outra geradora. A compra de energia de grandes geradores, sem restrição de mercado, é um dos maiores diferenciais competitivos da empresa.

Seguindo essa estratégia, a Tradener reafirma o seu entendimento de que a comercializadora tem o papel social de adequar o produto da geração às necessidades individuais de fornecimento de energia ao consumidor. “Com isso, evitamos desperdícios e ajudamos a economia a girar”, explica o CEO da companhia. Não só o desenvolvimento econômico, mas também o social compõem o compromisso da Tradener com os cidadãos paranaenses e brasileiros. Tal compromisso é posto em prática por meio de patrocínios e apoios a uma série de iniciativas sociais que envolvem esporte, cultura e educação.

Novas fontes para o crescimento
Foi com base no mesmo pioneirismo e expertise que deu origem às suas atividades que a companhia delineou a sua entrada no segmento de gás natural. Em busca de novas fontes de energia para melhor atender às demandas de seus clientes e zelar por um preço competitivo, desde 2013 a Tradener foi autorizada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) a comercializar gás natural também no mercado livre. Para dar início a essa nova operação, a companhia está construindo uma unidade de exploração em Pitanga, no interior do Paraná, visando a destinar a venda do insumo para as regiões próximas do local onde está instalado seu poço.

Ampliando seu escopo ao investir na geração própria, a companhia também encontra mais um caminho para atender às demandas dos seus clientes. A iniciativa vem de 2016, com a construção de uma pequena central hidrelétrica (PCH) em Goiás, acompanhada do planejamento de outras PCHs, de usinas eólicas e da pesquisa focada em diferentes formas de produção de energia elétrica. A previsão é que, a partir de 2018, a companhia passe a contar com energia de geração própria. O primeiro passo nessa frente foi dado ainda em 2017, quando o Grupo adquiriu a participação majoritária da Pequena Central Hidrelétrica de Rondinha, localizada em Santa Catarina.

A Tradener visa também a uma maior participação no mercado externo. Entre os países que estão na pauta de expansão, constam Paraguai e Bolívia. O crescimento é projetado também no mercado nacional, mantendo uma forte presença na maioria dos estados, sempre acompanhando o desenvolvimento e as demandas do setor industrial. “Nossa maior meta é aumentar a participação no mercado de forma consistente e sustentável, para que os consumidores possam pagar conta de energia mais barata e, assim, incentivar o desenvolvimento das regiões. A sociedade precisa entender a função social das comercializadoras, que são voltadas ao benefício econômico do consumidor”, enfatiza Avila. Assim, alinhada à sua visão fundadora, a Tradener constrói o futuro, ciente dos desafios a serem enfrentados pela desburocratização e pelo reconhecimento do seu segmento. Com o desejo de transformar energia – seja qual a matriz – em crescimento para todos. Dessa forma, a Tradener garante energia suficiente para ir além.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: