Marcos Pontes: “Ciência é estratégica para o país”

Primeiro astronauta do país a ir ao espaço palestrou no Sul

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Marcos Pontes, primeiro astronauta do país a ir ao espaço, palestrou em Rio do Sul (SC)

“Educação, ciência e tecnologia são estratégicas para o país. Educação é o que forma os profissionais do futuro e cidadãos produtivos. A gente tem um país enorme que precisa de soluções que a ciência fornece e a tecnologia transforma essas soluções em inovação, novos produtos, novas empresas e novos empregos”, afirmou o astronauta Marcos Pontes (foto) na abertura do Universo #VemFazerSESI, que a entidade promove em Rio do Sul (SC) até sábado (20). Demonstrações de drones e desafios entre robôs estão na programação que é gratuita e aberta ao público, no SESI de Rio do Sul, das 8 horas até às 20 horas (no sábado, dia 20, o evento se encerra às 16 horas).

“Vejam os países que são pequenos em termos de território e o tamanho que têm em participação econômica, como é o caso do Japão e de Israel. A gente precisa chegar lá”, reiterou Pontes, referindo-se aos investimentos que essas nações fazem na área de ciência e tecnologia. “Quando olho para vocês, vejo o futuro: engenheiros, médicos, advogados, uma série de profissionais que vão aflorar para o mercado brasileiro. Essa oportunidade de falar com vocês é uma das coisas mais importantes que a gente pode fazer como profissional já formado com uma carreira, para ajudá-los a decidir suas carreiras e ter motivação para realizar seus sonhos”, complementou. “Podemos fazer muito pelo futuro do país, principalmente prestar atenção em educação, onde temos investimentos que são altos, se compararmos com muitos países, mas que não trazem o resultado que gostaríamos. Além de ampliar os recursos, podemos colocar enfoque na eficiência do processo, da mesma forma que a gente precisa fazer em ciência e tecnologia”, defendeu.

No evento, o SESI realiza a etapa regional do Torneio de Robótica FIRST LEGO League. Crianças e adolescentes de 9 a 16 anos responderão “O que é necessário para se viver em uma estação espacial ou viajar para outro planeta?” na nova temporada (Into Orbit) do torneio. “Com esse evento, a gente busca deixar na região um legado de aprendizado de busca de valores tecnológicos para os nossos alunos e que eles possam através dessa experiência, no futuro, empreender e criar startups. O ponto chave de trazermos um evento desses para Rio do Sul é promovermos oportunidades, que são fundamentais, e o SESI contribui de maneira expressiva”, frisou André Odebrecht, vice-presidente regional da Fiesc. 


comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: