Ampliação da vantagem de Bolsonaro faz dólar recuar

Bolsa fecha a terça em alta com publicação de pesquisas

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Ampliação da vantagem de Bolsonaro faz dólar recuar

A nova pesquisa eleitoral, divulgada na segunda-feira (15), pelo Ibope animou o mercado nesta terça-feira (16). O levantamento mostrou a ampliação de Jair Bolsonaro sobre Fernando Haddad e confirmou a liderança do candidato do PSL com 59% contra 41% do petista.  "O quadro permite que Bolsonaro possa vencer mesmo sem participar de debates e que mantenha a estratégia em curso de reforçar o antipetismo uma vez remediado o crescimento de Haddad na região Nordeste", escreveu a equipe da XP Política em seu relatório matinal. 

A cotação da moeda norte-americana encerrou o pregão em baixa de 0,3%, cotada a R$ 3,7201 para venda. O dólar segue tendência de queda, acumulando desvalorização pelo segundo dia, quando fechou ontem caindo 1,2%. O Banco Central segue com a política tradicional de swap cambial, sem efetuar leilões extraordinários de venda futura da moeda norte-americana. O índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), terminou o dia em alta de 2,8%, com 85.717 pontos. As ações de grandes companhias, chamadas blue chips, contribuíram com a valorização, com Petrobras fechando em alta de 3,7%, Itaú com valorização de 4% e Bradesco com 4,7%.

Na visão do economista Victor Cândigo, da Guide Investimentos, Paulo Guedes e sua equipe trabalham para definir alguns pontos ainda em aberto na agenda econômica. “O teto de gastos continuará válido. A questão previdenciária ainda continua em espera. Guedes já sinalizou a Armínio Fraga que poderia analisar a proposta que está sendo feita por um grupo liderado por Armínio. No campo tributário o entendimento geral é que não há espaço para aumento da carga e prevalece a preferência pela criação do imposto único federal. O novo tributo funde, por exemplo, PIS/Cofins e IPI (Impostos sobre Produtos Industrializados)”, avaliou Cândigo. “O risco país continua em queda, próximo dos 221 pontos, refletindo o noticiário político onde Bolsonaro lidera com boa margem. Além do mais, a equipe do candidato voltou a ter um discurso mais liberal, o que deve continuar animando os mercados por aqui”, previu Cândigo.


leia também

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A mudança no comportamento do eleitor está por vir - Candice Pascoal explica os efeitos do crowfunding na política brasileira

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: