Dólar fecha em alta de 1,4% e bolsa tem queda de 2,8%

Mercado repercute eventual plano econômico de Bolsonaro

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Mercado repercute eventual plano econômico de Bolsonaro

Após seguidas séries em baixa, a cotação da moeda norte-americana encerrou o pregão desta quarta-feira (10) em alta de 1,4%, cotada a R$ 3,7635 para venda. Mesmo com a correção no movimento de queda, a moeda norte-americana acumula uma desvalorização de 8,1% nos primeiros dez dias de outubro. O Banco Central segue com os leilões tradicionais de swaps cambiais, sem ofertas extraordinárias de venda futura de dólares.

O índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), fechou o dia em baixa de 2,8%, com 83.679 pontos, com queda dos papéis das grandes companhias, consideradas como blue chips, como Petrobras com desvalorização de 2,8% e Eletrobras com 8,3%. O mercado repercutiu as declarações recentes do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre seu plano econômico. Bolsonaro declarou em entrevista à TV Bandeirantes que a privatização de estatais consideradas estratégicas, como as do setor energético, podem não acontecer. Também gerou ruído no mercado as declarações do deputado Onyx Lorenzoni. O político afirmou que o candidato do PSL não é favorável à reforma da previdência no modelo desenhado por Michel Temer.


leia também

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A mudança no comportamento do eleitor está por vir - Candice Pascoal explica os efeitos do crowfunding na política brasileira

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: