Maior abertura dos Estados Unidos anima calçadistas do Sul

Assinadas por Trump, regras que reduzem tarifas de 1,7 mil produtos importados entram em vigor no dia 13 de outubro

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Maior abertura dos Estados Unidos anima calçadistas do Sul

Os fabricantes de calçados do Sul do país estão animados com a possibilidade de aumento das vendas para os Estados Unidos que, no começo deste ano, perderam para a Argentina a posição de maiores compradores desses produtos brasileiros. O que anima os empresários da região é a entrada em vigor de uma nova legislação norte-americana que prevê redução tarifária para 1,7 mil produtos importados, entre os quais, calçados. Assinadas pelo presidente Donald Trump no último dia 13, as novas regras entram em vigor no dia 13 de outubro.

A maior abertura do mercado americano ocorre em um momento em que o Brasil precisa ajustar a sua demanda externa. Segundo a coordenadora de Inteligência de Mercado da Associação Brasileira da Indústria de Calçados (Abicalçados), Priscila Linck, o consumo mais retraído em solo nacional obriga os empresários a buscar compradores de fora. Ela lembra que os Estados Unidos sempre foram o principal destino das exportações do setor, mas, desde o ano passado, as encomendas de lá vinham caindo e só registraram um pequeno crescimento em agosto. A Argentina, que era a segunda maior importadora dos calçados brasileiros, passou à primeira posição em janeiro deste ano, mas começou a reduzir as compras em julho, por causa da crise econômica no país. De acordo com Priscila, os negócios bilaterais são facilitados até pela proximidade geográfica com o principal polo exportador, que fica no Rio Grande do Sul.

Dos 909 milhões de pares de calçados produzidos pelo Brasil, no ano passado, 20,6% foram confeccionados pelos gaúchos que detêm quase a metade das vendas externas. No ano passado, os produtores do Rio Grande do Sul tiveram participação de 41,4% no total de 127 milhões de pares embarcados. Em 2017, as exportações brasileiras alcançaram volume financeiro de US$ 1,09 bilhão, superando o resultado de 2016 (125,6 milhões de pares e US$ 999 milhões). O posto de maior produtor nacional, no entanto, é do Ceará (28,1%), mas a maior parte da fabricação desse estado abastece o mercado doméstico e apenas 26,5% seguem para o exterior. Quarto lugar na lista de produção, São Paulo é o terceiro maior vendedor externo (10,4%). Além dos mercados da Argentina e dos Estados Unidos, os sapatos brasileiros têm grande aceitação na França, terceiro maior importador, seguida por Paraguai, Bolívia, Chile, Peru Colômbia, Equador e Reino Unido.

Priscila observou que a nova regulamentação tarifária baixada por Trump, válida para o período de 13 de outubro próximo a 31 de dezembro de 2020, inclui produtos têxteis, químicos e calçados, entre outros bens de consumo não produzidos pelos Estados Unidos. “A regra não é unilateral para o Brasil, vale para qualquer país”, ressaltou Priscila. As novas normas americanas vão beneficiar até mesmo a China, independentemente da guerra comercial do país com os EUA. É da China que provém a maioria dos itens usados para calçar os pés da população mundial, o equivalente a 67,7% do comércio global. Segundo a porta-voz da Abicalçados, os concorrentes mais diretos do Brasil são o México e Portugal. De acordo com Priscila, mesmo diante desse quadro, é uma boa chance para inserção dos empresários brasileiros no mercado americano. “A redução tarifária deve facilitar as negociações entre os nossos fabricantes e os importadores dos Estados Unidos”, entende. 

Questionada sobre uma eventual retomada da economia argentina por meio da antecipação do empréstimo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e, a partir disso, haver um estímulo à produção de calçados brasileiros, Priscila afirmou que a projeção é de um segundo semestre ruim nessa parceria, pois, além da situação em si da Argentina, essa nação tem sofrido os efeitos da volatilidade cambial, assim como os demais países emergentes. “Todo impulso que tivemos até junho deu arrefecida em julho e houve uma queda em agosto nos embarques para Argentina”, comentou. Priscila acredita que esse cenário perdure por mais algum tempo, tomando por base os ajustes internos que fazem parte do acordo com o FMI e que, certamente, vão refletir na capacidade de consumo.


leia também

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A Parceria Transpacífico cumprirá o que promete? - Há dúvidas sobre o impacto da TPP na criação de empregos

Abicalçados vê recuperação gradual para o setor em 2017 - Estabilidade política e o potencial da economia motivam projeção

Acordo comercial entre EUA e México pode afetar Brasil - AEB prevê mais prejuízo para o setor automotivo

As sandálias sempre novas da Grendene - Produtos lançados no último ano são responsáveis por 90% da receita

Automóveis catarinenses na terra do Tio Sam - BMW de SC exportará 10 mil carros para os EUA a partir de junho

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: