A inovação pode ser estimulada

Falhas também fazem parte do processo criativo

Por Bernt Entschev

A inovação pode ser estimulada e falhas também fazem parte do processo criativo

Com a transformação digital, os negócios que mais crescem no mundo são aqueles que trazem ideias inovadoras. Portanto, investir nelas é fundamental para que uma organização se mantenha competitiva. Para atingir esse objetivo, os líderes precisam aprender a estimular a criatividade e motivar a equipe. Muita gente enxerga a criatividade como um talento inato, mas isso está longe de ser verdade. Ter aptidão ajuda, mas ela pode ser desenvolvida se o ambiente oferecer as condições certas. Quando isso não acontece, mesmo o profissional mais criativo fica impedido de usar seu potencial. 

Criar meios de retribuir a criatividade é uma boa forma de estimular os funcionários. Podem ser usados diversos tipos de recompensas, como bônus salariais, viagens, jantares ou até mesmo o reconhecimento público em eventos corporativos. Desse modo, os colaboradores se sentem motivados e passam a contribuir com soluções cada vez melhores para o negócio. 

Devemos lembrar que as falhas também fazem parte do processo criativo. Por isso, é preciso que os gestores sejam tolerantes e até incentivem os funcionários a cometerem erros, pois isso significa que eles estão em busca de soluções diferenciadas. Se os deslizes forem reprimidos, ninguém vai querer assumir o risco de apresentar novas ideias. Criar uma cultura de inovação leva tempo, mas o primeiro passo é ter líderes que tenham as falhas como parte do processo. E essa pode ser uma ótima saída para estimular a criatividade. Cada uma das equipes fica responsável por desenvolver ideias para melhorar processos ou produtos da empresa e, para isso, direciona um esforço coletivo para a criação de soluções poderosas e relevantes. A fim de garantir o sucesso desse modelo, devem ser estabelecidos prazos para que todos os grupos façam suas contribuições. 

Pessoas com origens, experiências e histórias de vida semelhantes pensam de forma muito parecida. Se existir essa falta de diversidade nas equipes, pode ser prejudicial para a criatividade. Quanto mais distintos profissionais atuarem juntos, maiores são as chances de aparecerem ideias realmente inovadoras. Por isso, nos processos de recrutamento, buscar talentos que possam trazer algo novo para a companhia como um todo é fundamental. Ter pessoas de diferentes gêneros, religiões, culturas e classes sociais no mesmo projeto é primordial. Contratar jovens, mas também profissionais experientes, ajuda a azeitar a equipe. 

É impossível esperar criatividade em um lugar onde os funcionários são tratados com frieza ou em que há pressão excessiva. Por outro lado, quando se oferecem autonomia e bem-estar, cria-se um terreno fértil para o surgimento de boas ideias. Para desenvolver esse clima favorável, o papel do líder é basilar. Um dos principais pontos de atenção para os gestores é a dinâmica dos processos de trabalho. Se eles forem burocráticos demais, os funcionários ficam muito ocupados com papelada e aprovações e isso impede que ideias criativas se tornem realidade. O ideal é que haja autonomia, liberdade e agilidade nas atividades diárias. 


leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

AMANHÃ TV pergunta: afinal, o que é inovar? - Profissionais abordam visões multidisciplinares sobre o tema

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: