Nuvem privada: sua empresa já tem?

Esse modelo é baseado na contratação de um servidor remoto

Por Telium

Telium explica os benefícios da nuvem privada

A tecnologia de cloud computing deixou de ser uma tendência para o futuro e hoje já é utilizada por grande parte das empresas para o desenvolvimento de uma série de atividades — e a nuvem privada é uma das alternativas mais buscadas recentemente. Esse fato se dá principalmente pelo aumento do número de ataques cibercriminosos. A tecnologia em nuvem chegou com força na maioria das empresas e esse movimento cloud é simples de entender. Os negócios estão cada vez mais dependentes da tecnologia, mas os custos das infraestruturas de TI podem ser bem altos. Com o surgimento da nuvem e servidores remotos que podem ser acessados pela internet, as empresas passaram a ter como utilizar recursos tecnológicos com custos menores. No entanto, outros desafios acabaram por surgir — e a segurança é um dos maiores. Eis, a seguir, as abordagens em nuvem existentes hoje.

A nuvem pública
Esse é o modelo mais utilizado por empresas que fornecem SaaS, software como serviço. Além disso, é o mais barato da tecnologia cloud — isso porque se trata de um grande servidor ou conjunto de servidores que é dividido de maneira virtual com uma série de empresas. Ou seja, o poder computacional, o armazenamento e os demais itens são disponibilizados conforme a contratação, podendo ganhar escala até certo ponto. Sendo assim, a empresa paga apenas pelo que usa. Sua principal indicação é para pequenas empresas que não dispõem de recursos de TI.

A nuvem privada
A melhor opção para empresas que lidam com dados críticos e alta confidencialidade é o uso de uma nuvem privada. Esse modelo é baseado na contratação de um servidor remoto, que não possui nenhum tipo de divisão de recursos com outras empresas. Dessa forma, os dados do negócio estarão muito mais protegidos do que em uma abordagem de nuvem pública ou até mesmo da hibrida, como veremos a seguir Esse tipo de utilização é recomendado para empresas que lidam com dados sensíveis, como é o caso daquelas que atuam no setor financeiro.

A nuvem híbrida
Essa é uma mescla da abordagem pública com a privada. Aqui, a empresa possui dois tipos de informação distintas. Geralmente, conta com um sistema a ser disponibilizado para clientes externos, que não necessita de muita segurança, e outra aplicação sensível. Dessa forma, essa alternativa usa uma nuvem privada para o armazenamento dos dados críticos e mantém uma conexão segura com a nuvem pública, fornecendo informação quando necessário. Sua abordagem acaba por ser mais cara devido às duas contratações.

Entre as maiores ameaças recentes, temos a utilização dos chamados ransomwares, que são códigos maliciosos de sequestro de informação. Diferentemente de um ataque comum de roubo de dados, o objetivo dessas investidas é criptografar as informações da vítima e impedir o acesso. Com isso, o cibercriminoso exige um resgate, geralmente a ser pago em Bitcoins para evitar o seu rastreio, para liberar a chave de encriptação e permitir que a empresa possa novamente acessar suas informações sequestradas. Entre os mais famosos casos recentes do uso de softwares como esse, está o WannaCry, em 2017, que infectou e prejudicou milhares de computadores ao redor do mundo, fazendo vítimas, inclusive, no Brasil. Aqui foram atingidos, por exemplo, o MPSP e o INSS. Há uma série de benefícios ao se optar pelo uso de uma nuvem privada pelas empresas. Eis, abaixo, algumas das principais vantagens.

Ganho de escala
A nuvem pode ganhar escala. Assim, conforme o negócio cresce e novas demandas surgem, é possível aumentar o poder de processamento e armazenamento. A “escalabilidade” é uma via de mão dupla. Da mesma forma que pode ser necessário aumentar, também é possível diminuir. Isso é válido principalmente em horários em que o servidor não é tão acessado, poupando recursos e minimizando gastos.

Backup

Uma das principais rotinas de segurança, que muitas vezes não é realizada com tamanha importância nas empresas, é o backup, isto é, a criação de cópias de segurança dos dados sensíveis do negócio. A nuvem privada é um local seguro para realizar a guarda dos dados de backup — diferentemente de uma pública, em que os recursos são divididos e ataques poderiam fazer com que as cópias se perdessem.

Recursos sob demanda
Ao criar servidores locais, um problema comum é acoplar novos equipamentos para aumentar o seu desempenho. Esse tipo de dificuldade não existe em uma nuvem privada. Os recursos podem ser disponibilizados por demanda. Precisa de mais memória? Com alguns cliques é possível contratar mais. 

Privacidade
Esse tipo de abordagem não divide os recursos computacionais do servidor contratado com nenhuma outra empresa. Da mesma forma, o provedor de serviços não tem controle acerca de suas rotinas ou utilização do serviço como acontece na nuvem pública, então a empresa pode utilizar os recursos como bem entender.

Segurança
O principal benefício de uma nuvem privada é a segurança que ela garante ao seu usuário. Quando utilizamos a nuvem pública, existe um servidor que é compartilhado com todos, ou seja, caso alguém deixe uma falha de segurança, toda a nuvem pode ser comprometida. Já na abordagem privada o servidor é dedicado, sendo assim, a equipe de TI pode planejar e aplicar uma política de segurança com a certeza de que seus esforços impedirão qualquer tipo de ameaça. 


leia também

A falta de orçamento para TI pode comprometer o negócio - Não é uma boa ideia economizar comprando equipamentos antigos

Cesar Leite: "Ninguém escapa da nuvem" - Presidente da Processor afirma que os céticos já migraram para o cloud

Como o setor de healthcare pode se proteger? - Segurança da informação é o grande Calcanhar de Aquiles da gestão hospitalar

Como superar 7 desafios da migração para a nuvem - Essa tecnologia requer muito planejamento

O papel da TI na tomada de decisões - A tecnologia ajuda o gestor a escolher estratégias lucrativas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: