Receita da indústria de máquinas cai 4,1% em julho

Queda já era prevista pela Abimaq devido à sazonalidade

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Receita da indústria de máquinas cai 4,1% em julho, anuncia Abimaq

O setor de máquinas e equipamentos registrou queda de 4,1% nas receitas em julho na comparação com o mês anterior, de acordo com balanço divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Ante o mesmo período do ano passado, houve crescimento de 10,6%, e no acumulado de 2018, a elevação foi de 4,7%. Segundo a Abimaq, a queda mensal já era prevista devido à sazonalidade e às vendas represadas por conta da paralisação dos caminhoneiros no final de maio. “Em relação ao ano de 2017, houve um crescimento importante, mas ainda distante dos valores alcançados durante o período pré-crise, cuja receita girava ao redor de R$ 11 bilhões”, nota a entidade.

Segundo as análises da Abimaq, o alto índice de ociosidade da economia, combinado com elevado grau de incertezas, tem inviabilizado grandes investimentos. “Ainda assim, a expectativa é que o setor encerre o ano de 2018 com um crescimento acumulado ao redor de 7% em relação ao ano de 2017, puxado principalmente pelas exportações”, de acordo com relatório da entidade.

Os dados revelam ainda que as exportações no setor caíram 20,3% em relação ao mês de junho, também influenciadas pelo represamento provocado pela greve dos caminhoneiros. Com relação a julho de 2018, a queda foi de 3,3%. No acumulado do ano, houve recuo de 13,9% ante o mesmo período de 2017. Já as importações, andaram no sentido contrário, registrando crescimento de 11,7% em relação a junho e 21% em relação a julho de 2017.

Segundo o balanço, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) na indústria de máquinas e equipamentos cresceu em julho, chegando a 77,3%. A média anual está em 5,7 pontos percentuais, acima da média de 2017, reflexo das vendas no mercado externo e doméstico. Mesmo assim no acumulado do ano houve queda de 4,9% no Nuci.


leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

Alta no preço do gás natural surpreende indústria de SC - Tarifa do insumo recebeu elevação média de 10%

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

Atividade econômica do Sul cai 2,5% em 2015 - Queda foi puxada por desempenho negativo do comércio e da indústria

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: