Dólar é cotado acima de R$ 4 pelo sexto pregão seguido

Analistas não descartam que moeda alcance R$ 5 com eleições

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Dólar se firma acima de R$ 4 pelo sexto pregão seguido

O dólar opera em alta nesta quarta-feira (22), após ter ultrapassado a barreira dos R$ 4 pela primeira vez em dois anos e meio na terça-feira (21). Por volta das 13h40, a moeda norte-americana subia 1,1%, vendida a R$ 4,0825. Na máxima do dia alcançada nesta manhã, chegou a R$ 4,0889. O dólar turismo era negociado a R$ 4,24, sem considerar o Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF). Desde janeiro, a divisa norte-americana já acumula valorização de mais de 20%. A tendência de alta, que havia perdido fôlego a partir de junho, ganhou força em agosto, fazendo o dólar saltar de cerca de R$ 3,70 para os atuais R$ 4. O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, subia 0,89%, aos 75.875 pontos no início desta tarde. Mesmo com a forte alta, o Banco Central segue não efetuando nenhum leilão extraordinário de swap cambial (venda futura da moeda norte-americana).

Investidores têm comprado dólares em resposta aos cenários desenhados pelas pesquisas eleitorais que mostram baixos índices de intenção de votos para candidatos voltados a reformas alinhadas com o mercado. Analistas têm afirmado que a moeda ficará ainda mais instável quando começar a propaganda eleitoral na televisão, quando se acredita que o tempo de exposição dos candidatos pode influenciar a decisão do eleitorado. Eles também não descartam que o dólar chegue perto de R$ 5 diante do quadro eleitoral. 


leia também

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A mudança no comportamento do eleitor está por vir - Candice Pascoal explica os efeitos do crowfunding na política brasileira

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Agosto, o pior mês do ano para o Ibovespa - Bolsa acumula queda de 24,6% e dólar comercial totaliza alta de 33%

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: