Brain e Indigo se associam para suprir shoppings

A energia será gerada a partir de parques eólicos no Sul

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A energia será gerada a partir de parques eólicos no Sul, como o de Osório

A Indigo, que atua na gestão de estacionamentos, e a Brain Energy, empresa especializada na geração de energia renovável, anunciaram a criação do projeto Energy for Mobility. O plano possibilitará o fornecimento de energia eólica para suprir a demanda por eletricidade de shopping centers em todo o Brasil. Atualmente, a Indigo já administra o estacionamento de aproximadamente 100 shopping centers no país. 

A energia renovável será gerada a partir de parques eólicos exclusivos, localizados no Rio Grande do Sul. Dependendo do prazo do projeto, a redução no valor do gasto com energia poderá chegar a mais de 25% quando comparado com os valores praticados pelo mercado livre. O investimento para a construção de parques eólicos, a partir de 10 MW até 30 MW, será viabilizado pela própria Indigo, que o amortizará ao longo do contrato com o shopping center.

“O Brasil tem a quinta tarifa de energia mais cara do mundo. Mesmo o mercado livre não protege a longo prazo as oscilações de preços. Mais do que uma redução no custo e aumento na lucratividade, o Energy for Mobility irá proporcionar aos shopping centers a possibilidade de traçar um planejamento energético, com uma previsão custos pelos próximos 10 ou 20 anos”, explica Telmo Magadan, sócio da Brain Energy.

Com a presença em 19 Estados, 190 estacionamentos e administrando mais de 190 mil vagas, a Indigo tem um plano de negócio ousado para esse segmento e pretende investir R$ 100 milhões por ano até 2020 no Brasil. No Brasil é responsável pela gestão de mais de 190 estacionamentos em 19 Estados, somando mais de 192 mil vagas. Soluções inteligentes para a geração de energia renovável, em larga escala, integram a proposta de atuação da Brain Energy. Estabelecida em 2012 pelos sócios Telmo Magadan e Daniel Andrade, a companhia tem como foco a geração de energia eólica. 


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: