Confiança do Agronegócio tem queda no segundo trimestre

André Pessoa afirma que cenário é de difícil previsibilidade

Por Dirceu Chirivino

dirceu@amanha.com.br

André Pessoa afirma que cenário é de difícil previsibilidade

O Índice de Confiança do Agronegócio (ICAgro) fechou o segundo trimestre de 2018 em 98,5 pontos, retraindo 8,6 pontos em relação ao trimestre imediatamente anterior. De acordo com a metodologia do estudo, resultados abaixo de 100 pontos demonstram baixo grau de confiança. O IC Agro é um indicador medido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). O índice foi apresentado por André Pessoa (foto), consultor da AgroConsult, em Porto Alegre, em evento promovido pela a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS) em Porto Alegre (RS) nesta quinta-feira (19). A pesquisa foi feita com 645 produtores e industriais do agronegócio.

Pessoa demonstrou preocupação com o futuro do agronegócio no país. “O cenário é de difícil previsibilidade. Não conseguimos formação de preço para a próxima safra de soja. E ainda não temos sinalizações sobre os resultados da guerra comercial entre Estados Unidos e China e de todas as sequelas da greve dos caminhoneiros. O câmbio também deverá oscilar em função das próximas eleições”, diagnostica. O consultor também falou sobre tendências do mercado de grãos, principalmente o milho. Segundo ele, os estoques do insumo estão baixos e o custo de produção tem aumentado. “A nossa expectativa é de que os preços do milho tendem a subir, pois os estoques estão baixos”, prevê. “Isso não é ruim. É um cenário bom em termos de rentabilidade e demanda internacional”, justifica. 


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: