Dólar sobe 2,2% com tensão comercial entre EUA e China

Banco Central continua sem atuar em leilões de swaps cambiais

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Dólar sobe 2,2% com tensão comercial entre EUA e China

O anúncio dos Estados Unidos de que poderá ampliar a taxação de produtos da China levou o dólar comercial a subir 2,2% nesta quarta-feira (11), e a moeda norte-americana chegou à cotação de R$ 3,8811 para venda. O Banco Central continua sem atuar em leilões extraordinários de swaps cambiais (venda futura de dólares), apostando no cenário dos últimos dois pregões, quando houve queda de 3,5% na cotação da moeda.

O Ibovespa (índice da Bolsa de Valores de São Paulo) refletiu o aumento da tensão comercial entre Estados Unidos e China, fechando o pregão em baixa de 0,62, com 74.398 pontos. Ações de grandes empresas acompanharam a tendência de queda, com Petrobras fechando com retração 1,9%; Vale, em -1,1%; e Bradesco, em -0,3%.


Deprecated (16384): Accessing `here` as a property will be removed in 4.0.0. Use request->getAttribute("here") instead. - /home/amanha/www/src/Template/Posts/view.ctp, line: 173 You can disable deprecation warnings by setting `Error.errorLevel` to `E_ALL & ~E_USER_DEPRECATED` in your config/app.php. [CORE/src/Core/functions.php, line 311]/posts/view/5864/dolar-sobe-2-2-com-tensao-comercial-entre-eua-e-china" data-widget-id="AR_1" data-ob-template="RevistaAmanha">

leia também

Ação do BC de oferecer dólares contém alta da moeda - Banco Central ofertará US$ 20 bilhões em swaps cambiais

Alta do dólar é internacional e Brasil não está imune - Segundo Eduardo Guardia, o governo deve manter ajuste fiscal

Após intervenção do BC, dólar cai 5,6% - Moeda fecha a semana com desvalorização de 1,6%

BC afirma que não elevará juro por causa do câmbio - Moeda norte-americana sobe 2,8% e bolsa recua

BC anuncia injeção extra de US$ 20 bi para segurar dólar - Goldfajn não descartou adotar outras medidas de intervenção

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio - Instituição poderia ir além do recorde de recursos utilizado no passado

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: