Dólar tem dia de forte alta, fechando em R$ 3,9344

Cotação subiu 0,5% ante temor de disputa entre EUA e China

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Dólar tem dia de forte alta, fechando em R$ 3,9344

O dólar fechou esta quinta-feira (5) no maior patamar desde março de 2006, com a moeda norte-americana subindo 0,5%, cotada a R$ 3,9344. Durante o dia, o dólar chegou a valer R$ 3,9416. A cotação acompanhou o temor dos investidores com o prazo desta sexta-feira (6) anunciado pelo Estados Unidos para início da taxação dos produtos da China, contando com uma eventual retaliação dos chineses.

A divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve (banco central norte-americano) aumentou o temor dos investidores, pois o documento sinaliza que pode haver uma nova alta de juros no mercado local. A posição do Banco Central, que não realizou na semana nenhum leilão extraordinário de swaps cambiais (venda futura da moeda norte-americana), também colaborou com a valorização da moeda no pregão desta quinta. 

Encerrando cinco dias de pregões em alta, o índice B3 (bolsa de valores de São Paulo) fechou em baixa de 0,2%, com 74.553 pontos. O cenário negativo norte-americano e a forte desvalorização dos papéis da Embraer, após o anúncio de criação da joint venture com a Boeing, contribuíram para o fechamento em queda. As ações da Embraer fecharam o pregão em queda de 14,2%, além da baixa de 8,6% nos papeis da Eletrobras.


leia também

Ação do BC de oferecer dólares contém alta da moeda - Banco Central ofertará US$ 20 bilhões em swaps cambiais

Alta do dólar é internacional e Brasil não está imune - Segundo Eduardo Guardia, o governo deve manter ajuste fiscal

Após intervenção do BC, dólar cai 5,6% - Moeda fecha a semana com desvalorização de 1,6%

BC afirma que não elevará juro por causa do câmbio - Moeda norte-americana sobe 2,8% e bolsa recua

BC anuncia injeção extra de US$ 20 bi para segurar dólar - Goldfajn não descartou adotar outras medidas de intervenção

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio - Instituição poderia ir além do recorde de recursos utilizado no passado

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: