Fusão mira crescimento do mercado de antecipação de recebíveis

Negócio entre Sul Brasil e Sul Invest originou uma das dez maiores companhias brasileiras no segmento de FIDCs

Por Marisa Valério, de Curitiba (PR)

marisa.valerio@amanha.com.br

Negócio entre Sul Brasil e Sul Invest originou uma das dez maiores companhias brasileiras no segmento de FIDCs

A fusão das consultoras de crédito Sul Brasil e Sul Invest, ambas com sede em Curitiba, deu origem a uma das dez maiores companhias brasileiras no segmento de FIDCs multi cedentes e multi sacados. A nova empresa – que conserva o nome Sul Brasil – reúne um patrimônio líquido de R$ 400 milhões e pretende atrair investidores com perfil de curto e longo prazo. 

A fusão concluída em maio prepara a empresa para um período de mercado em crescimento, diz Alexandre Silveira, sócio fundador da Sul Brasil. “A perspectiva de crescimento da nossa indústria de fundos de recebíveis é da ordem de 15 a 20% em 2019, devido à agilidade das operações em comparação com o segmento bancário, e também à retração dos bancos na liberação de crédito para o setor industrial.”

A projeção para inadimplência é conservadora, com a previsão de que se mantenha controlada em percentual equivalente a 0,5% sobre o volume operado. A estrutura de governança inclui o conselho de administração e três diretores (presidente, diretor comercial, diretor operacional). Com cinco filiais, a Sul Brasil tem 60 pessoas na área comercial e 80 na área operacional.

Os FIDCs, ou Fundos de Investimento em Direitos Creditórios, funcionam como um condomínio de investidores, que unem seus recursos em um investimento comum, com o mínimo de 50% aplicado em Direitos Creditórios. Por sua vez, os Direitos Creditórios são derivados dos créditos que uma empresa tem a receber, como cheques, aluguéis, duplicatas ou parcelas de cartão de crédito. Ou seja, funcionam como dívidas convertidas em títulos, e que podem ser vendidas a terceiros, por meio de um processo de securitização.

O principal produto da Sul Brasil – que teve origem num grupo familiar ligado ao agronegócio – são recursos para capital de giro. Cerca de 80% da carteira de clientes é formada por empresas do segmento industrial. 

SABE O QUE MAIS?

Sicredi no Paraná
O Sicredi encerra o primeiro semestre como a maior rede de atendimento do Paraná. São agora 377 agências da cooperativa, informa o presidente nacional do Sistema Sicredi e da Central PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock. Segundo dados do Banco Central, o Sicredi é a única instituição financeira presente em mais de 70 municípios paranaenses. A previsão de crescimento do Sicredi em nível nacional neste ano repete os 20% alcançados em 2017, calçado em investimento de R$ 404 milhões durante o ano, para abertura de agências e modernização de sistemas.

Acelerando energia renovável
Incubada no Sistema Fiep, a Metha Soluções é a única empresa do Paraná selecionada para o programa de financiamento em inovação da Finep. A startup receberá R$ 1 milhão para colocar em prática o plano de negócios baseado em projetos de geração de energia renovável. Um de seus produtos, a Micro Central Hidrelétrica (MCH), é um equipamento de pequenas dimensões capaz de gerar energia elétrica a partir dos menores pontos de disponibilidade de água para até cinco casas de porte médio. A seleção de 19 startups foi disputada por 503 empresas.

Bitcoinjud
O Grupo Bitcoin Banco, que tem sede em Curitiba, anunciou a criação de uma plataforma que permite que juízes possam consultar dados relacionados a investidores de criptomoedas que respondam a processos judiciais. Com a plataforma BitScoreCoin, apenas as autoridades com um mandado judicial podem consultar rapidamente se os réus têm contas nas exchanges NegocieCoins e Zater, pertencentes ao grupo. A plataforma já está pronta e será apresentada ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O objetivo é que a instituição homologue a ferramenta e firme um Termo de Cooperação Técnica nos moldes do convênio existente com o Banco Central (Bacenjud) e Departamento Nacional de Trânsito (Renajud). Com estes sistemas, os magistrados brasileiros consultam os saldos em contas bancárias e veículos dos réus. A ideia é que o CNJ possa realizar o mesmo entendimento com as criptomoedas, sem que haja violação à privacidade dos dados dos usuários. 

McDonald´s flexibiliza
O McDonald´s da praça de alimentação do Shopping Curitiba é o primeiro do Paraná a oferecer o autoatendimento em totens e a possibilidade de customização do cardápio. Os funcionários também estão de roupa nova, escolhida por eles. A ideia da empresa é reduzir a padronização no tratamento oferecido aos clientes, uma das marcas mais fortes da cultura McDonald´s. O novo modelo será implantado também na unidade do bairro Cabral, que está fechada para reforma.

Mega Esteio lotou
A Oesa, empresa do setor de alimentos com sede em Jaraguá do Sul (SC), ocupou o último módulo disponível no Mega Esteio, num espaço de 1.915 metros quadrados. Com isso, o condomínio logístico atinge 100% de ocupação. A unidade será distribuição de alimentos na Serra Gaúcha e em toda a Grande Porto Alegre. O imóvel é administrado pela Capital Realty, empresa paranaense que desenvolve e faz a gestão de condomínios logísticos nos três estados do Sul e também em São Paulo. O condomínio logístico Mega Esteio está localizado na BR-116, a 17 quilômetros de Porto Alegre. A Capital Realty finalizou em maio a terraplanagem para a construção de um novo condomínio logístico em Canoas. Serão 160 mil metros quadrados de área construída do maior condomínio logístico da região Sul, com quase três vezes o tamanho do Mega Esteio, e sua primeira fase está prevista para 2019.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: