Mercado espera por mais inflação e PIB menor

A projeção para o IPCA subiu de 3,88% para 4% neste ano

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Mercado espera por mais inflação e menor crescimento econômico, avalia Focus

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) continuam reduzindo a projeção de crescimento da economia e aumentando a estimativa para a inflação. No sexto aumento seguido, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 3,88% para 4% neste ano. Para 2019, a estimativa segue em 4,1%. 

Mesmo com o aumento nas projeções, as estimativas seguem abaixo da meta de 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6% para este ano. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Para as instituições financeiras, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o fim de 2018. Para 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano.

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia continua sendo reduzida. A projeção para a expansão do PIB passou de 1,76% para 1,55% na oitava redução seguida. A previsão de crescimento do PIB para 2019 caiu, pela terceira vez consecutiva, ao passar de 2,70% para 2,6%. A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,63 para R$ 3,65 no fim deste ano, e permanece em R$ 3,60 para o fim de 2019.


leia também

Estimativa do mercado para inflação sobe para 4,15% - A previsão para o PIB foi ajustada de 1,5% para 1,49%

Focus: estimativa de inflação cai pela quinta vez - A projeção para o IPCA passou de 2,83% para 2,78%

Focus: estimativa para inflação tem ligeira alta - Mercado ajustou a projeção do IPCA de 2,95% para 2,98%

Mercado aumenta estimativa de inflação para 3,5% - Agentes econômicos reduziram a projeção para o PIB

Mercado aumenta estimativa de inflação para 4,03% - A projeção para a expansão do PIB permaneceu em 1,55%

Mercado aumenta projeção para a inflação pela oitava vez - A estimativa para a expansão do PIB caiu de 1,55% para 1,53%

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: