BC afirma que não elevará juro por causa do câmbio

Moeda norte-americana sobe 2,8% e bolsa recua

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

BC afirma que não elevará juro por causa do câmbio

O Banco Central (BC) não reagirá de forma mecânica com a política de juros para lidar com a desvalorização da taxa de câmbio. O BC deixou claro que continua em vigor a declaração do presidente Ilan Goldfajn de que não há uma relação automática entre o câmbio e a política monetária. Em linguagem mais coloquial, o BC está reafirmando que não pretende elevar a taxa Selic para conter a desvalorização do real frente ao dólar. A informação foi veiculada na edição do jornal Valor Econômico desta quinta-feira (7). 

“Isso não significa, porém, que o Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne nos dias 19 e 20, cumprirá rigorosamente o que disse na ata, que manterá os juros inalterados nas próximas reuniões. Na mesma ata, é importante lembrar, o comitê destacou que a sinalização de manutenção da Selic nas duas próximas reuniões está condicionada à evolução da conjuntura econômica, em especial a atividade, ao balanço de riscos e às projeções de inflação, tanto as suas quanto às expectativas do mercado. Uma coisa é certa: o balanço de riscos piorou nos últimos dias. A taxa de câmbio considerada na ata, de R$ 3,60, elevaria a projeção de inflação para algo ao redor de 4% neste e no próximo ano”, afirma a reportagem. 

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, declarou que existe uma tensão maior no mercado de câmbio no Brasil por causa das eleições deste ano. “Como sabemos, existe uma tendência global de valorização do dólar. E isso afeta a economia brasileira, como afeta outras economias, com maior intensidade as emergentes. Evidentemente tem as especificidades do caso brasileiro. Existe uma tensão maior dada pela transição política, em cenário das eleições. Tudo isso agrega volatilidade e incerteza aos mercados”, afirmou o ministro. Guardia reforçou que a economia brasileira tem fundamentos sólidos, com reservas internacionais “extremamente elevadas” e déficit em conta corrente financiado por investimento direto estrangeiro. “Tudo isso reforça muito a solidez da economia brasileira para enfrentar esse tipo de movimento [de alta do dólar]”, disse, ao ser questionado se está havendo especulação no mercado.

O ministro ressaltou que o BC e o Tesouro estão monitorado os mercados de câmbio e juros, destacando que o câmbio no país é flutuante e a atuação do Banco Central é no sentido de evitar fortes oscilações. “O Banco Central monitora, e tem atuado mercado de câmbio quando julga oportuno. O Tesouro Nacional também tem olhado o mercado de juros para tentar reduzir a volatilidade neste mercado. Então, estamos atuando conjuntamente, de maneira coordenada”, disse. Ele acrescentou que o Tesouro Nacional tem um colchão de liquidez, o que permite reagir em momentos de maior volatilidade. “Tanto o Ministério da Fazenda quanto o Banco Central têm acompanhado essa evolução, e o que sempre destacamos: o fundamental é que o país avance no que é efetivamente relevante para reforçar a nossa capacidade de superar esses momentos de maior turbulência. Eu me refiro à continuidade do processo de reformas”, destacou. Questionado se as oscilações no mercado podem levar a aumento da taxa básica de juros, a Selic, Guardia preferiu não se posicionar. “Nunca comento decisões de juros. Isso é competência exclusiva do Banco Central”, afirmou.

Na quarta-feira (6) o mercado começou a especular com uma eventual e imediata elevação da Selic. A cotação do dólar voltou a subir nesta quinta, valendo R$ 3,9023 na abertura do mercado financeiro com valorização de 1,7%. Por volta de 12h50, a moeda norte-americana subia 2,8%, a R$ 3,9444. Na máxima, chegou a R$ 3,9454. Esse é o maior nível intradia [operação de compra e venda no mesmo dia] desde março de 2016, quando a moeda chegou a valer R$ 4,0181. Na quarta, a cotação chegou a R$ 3,8371. No inicio da tarde, o índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa), acumulava queda de 3,1%, aos 73.721 pontos, renovando seu menor patamar neste ano. O BC ofertou na manhã desta quinta 15 mil contratos de swap cambial. Logo depois, ofertou mais 48,8 mil contratos em um intervalo de menos de duas horas. Porém, o esforço não fez com que a moeda norte-americana sofresse desvalorização.

Na opinião de alguns especialistas, a taxa de juros nos Estados Unidos também pode voltar a subir. De acordo com o InfoMoney, os títulos da dívida pública do Tesouro dos EUA, usados para financiar a dívida do país, já chegaram a pagar 3% ao ano, fato que já serviu para estremecer o mercado global. E há quem aposte que os Estados Unidos poderão até mesmo dobrar esse índice de rendimento de seus títulos nos próximos meses.


leia também

Ação do BC de oferecer dólares contém alta da moeda - Banco Central ofertará US$ 20 bilhões em swaps cambiais

Alta do dólar é internacional e Brasil não está imune - Segundo Eduardo Guardia, o governo deve manter ajuste fiscal

Após intervenção do BC, dólar cai 5,6% - Moeda fecha a semana com desvalorização de 1,6%

BC anuncia injeção extra de US$ 20 bi para segurar dólar - Goldfajn não descartou adotar outras medidas de intervenção

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio - Instituição poderia ir além do recorde de recursos utilizado no passado

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: