Brasil fica isento da tarifa de aço dos Estados Unidos

País terá de pagar taxa para exportar alumínio

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Brasil fica isento da tarifa de aço dos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que vai impor tarifas de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio importados de países da União Europeia e do Canadá e México, seus parceiros no Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte). As novas tarifas entram em vigor nesta sexta-feira (1º). Brasil, Argentina e Austrália continuam isentos das tarifas de aço, mas o Brasil não aparece na lista dos países que continuam isentos da de alumínio. A escolha pela tributação, ao invés de um sistema de cotas, foi uma opção da indústria do alumínio.

Segundo nota do Ministério das Relações Exteriores, divulgada no início deste mês, "os representantes do setor de alumínio indicaram que a alternativa menos prejudicial a seus interesses seria suportar as sobretaxas de 10% inicialmente previstas. Já os representantes do setor do aço indicaram que a imposição de cotas seria menos restritiva em relação à tarifa de 25%". Alguns dos países atingidos pela tarifação estão entre os maiores parceiros políticos dos Estados Unidos. A razão apontada pela Casa Branca para a imposição das tarifas foi “proteger a segurança nacional dos efeitos do excesso de oferta global de aço e de alumínio”.

No dia 30 de abril, um acordo com a Coreia do Sul foi fechado sobre a questão da tarifa sobre o aço, e hoje foram confirmados os acordos com o país e com a Austrália, a Argentina e o Brasil. Haverá imposição de cotas, ou limites quantitativos, à exportação do produto por esses países. “Os Estados Unidos, no entanto, não conseguiram chegar a um acordo satisfatório com Canadá, México e União Europeia, depois de ter repetidamente atrasado a implementação das tarifas para dar mais tempo para as discussões”, acrescenta o comunicado da Casa Branca.

Alumínio
Argentina e Austrália também fecharam acordo sobre o alumínio. No dia 22 de março, os Estados Unidos anunciaram que estavam negociando com Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, México, Coreia do Sul e União Europeia alternativas para lidar com a questão das importações do produto. As tarifas foram suspensas até o início de maio. No dia 30 de abril, o governo anunciou que tinha entrado em acordo com Argentina, Austrália e Brasil, e as isenções foram estendidas para esses países. Porém, o documento da Casa Branca só menciona Argentina e Austrália entre os países que serão isentos das taxas sobre o alumínio, portanto, o Brasil passa a estar entre os países que terão que pagar tarifas de 10% para exportar o produto aos Estados Unidos.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: